A-A+

Integrantes de organizadas pernambucanas são alvo de operação

Um dos presos foi o líder da Torcida Jovem, Henrique Marques, que, segundo o chefe da Polícia Civil, Joselito Kerhle do Amaral, foi responsável por convocar e organizar via internet uma confusão registrada entre as torcidas em 29 de maio no Aeroporto

O líder da Torcida Jovem, Henrique Marques, foi um dos presos na operaçãoO líder da Torcida Jovem, Henrique Marques, foi um dos presos na operação - Foto: Divulgação/Polícia Civil de Pernambuco

Integrantes de torcidas organizadas de clubes pernambucanos envolvidos em uma briga no Aeroporto do Recife em maio deste ano são os alvos da Operação VAR (árbitro de vídeo, na sigla em inglês), deflagrada nesta segunda-feira (3) pela Polícia Civil de Pernambuco (PCPE). Um dos presos foi o líder da Torcida Jovem, Henrique Marques, de 32 anos, que, segundo o chefe da Polícia Civil, Joselito Kerhle do Amaral, foi responsável por convocar e organizar via internet o caso acontecido no terminal.

Segundo a polícia, os quatro mandados de busca e apreensão domiciliar e os dez de prisão expedidos pela Vara Criminal da Comarca do Recife foram cumpridos, inclusive o do líder da facção alusiva ao Sport, Henrique Marques. Além disso. A ação foi realizada nas cidades de Recife, Paulista, Camaragibe, Jaboatão dos Guararapes e Cabo de Santo Agostinho. 

Leia também:
Torcidas do Sport, Santa e Atlético entram em confronto

A briga que desencadeou a operação aconteceu na madrugada de 29 de maio, dia em que o Sport enfrentou o Atlético-MG pelo Campeonato Brasileiro. Na ocasião, torcedores das organizadas do dois clubes e do Santa Cruz entraram em conflito no desembarque da torcida do time mineiro no terminal de passageiros, localizado no bairro da Imbiribeira, na Zona Sul do Recife. O tumulto foi contido por agentes da Polícia Federal e da Infraero.

As investigações da operação tiveram início logo após o conflito, ainda em maio, e foram feitas pela Delegacia de Intolerância Desportiva (DPRIE), sob presidência do delegado Paulo Moraes. Os membros das organizadas são suspeitos dos crimes de roubo, lesão corporal grave, dano ao patrimônio público e organização criminosa. 110 policiais civis - entre delegados, agentes e escrivães - foram empregados na operação.

"Mapeamos os envolvidos, inclusive o líder da Torcida Jovem, desde 29 de maio. Fora o caso no Aeroporto, há o envolvimento deles também em outro episódio, em 9 de julho, na Cônego Barata [rua localizada no bairro da Tamarineira, na Zona Norte do Recife] com integrantes desta mesma organização. Há participação de integrantes dessa organização em uma tentativa de homicídio neste dia", detalhou Joselito Kerhle. 

Veja também

Chamusca nega desconforto no clube e diz que não é momento de fazer cálculos para o G4
Futebol

Chamusca nega desconforto no clube e diz que não é momento de fazer cálculos para o G4

No Sport, Thiago Neves estava mais atrapalhando do que ajudando
Futebol

No Sport, Thiago Neves estava mais atrapalhando do que ajudando