Jhonnatan aprova treino aberto nos Aflitos

Diretoria decidiu abrir treinamento na véspera do jogo contra o Bragantino

Náutico jogará nos Aflitos em dezembroNáutico jogará nos Aflitos em dezembro - Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

O último treinamento do Náutico antes do jogo contra o Bragantino, domingo (26), na Arena de Pernambuco, pelo duelo da volta das quartas de final da Série C, será de portões abertos ao público e com um detalhe que animou os alvirrubros: acontecerá nos Aflitos. A diretoria do clube decidiu abrir o estádio, em fase final de obras para ser reinaugurado, na tentativa de aproximar o elenco da torcida no jogo que vale vaga na Série B do ano que vem. Uma ideia aprovada pelo volante Jhonnatan.

"Acho válido. Trabalharemos a partir de quarta com treino fechado, mas sábado vamos trazer o torcedor para o nosso lado e ver a energia que eles vão levar. Vai ser bom para sentir o clima e saber o que encontraremos no domingo, com a Arena cheia e os torcedores nos apoiando", afirmou o jogador. "Começamos mal na Série C, o torcedor se afastou, mas depois com os resultados aparecendo eles voltaram a nos apoiar. Eles acreditam no grupo e vamos dar essa resposta para eles e para nós", completou.

Cotado para ser titular diante do Bragantino, após se recuperar de lesão, o jogador ficou apenas no time reserva no último treinamento. O técnico Márcio Goiano optou por montar uma formação mais ofensiva, com apenas Josa e Luiz Henrique de volantes. Dudu, Robinho, Lelê e Ortigoza completaram o quarteto ofensivo.

"Ele está testando, botou Wallace e Ortigoza com dois volantes, depois deixou somente Ortigoza...Márcio conversou com todos e disse que vai buscar a melhor formação para o jogo", apontou.

Leia também:
Alvirrubros evitam falar em premiação do acesso
Goiano testa tática ofensiva para jogo contra o Bragantino

Veja também

Kevyn testa positivo para Covid-19 e desfalca Náutico
Futebol

Kevyn testa positivo para Covid-19 e desfalca Náutico

Casagrande critica omissão da CBF e Bolsonaro: 'Governo da morte, não da vida'
Opinião

Casagrande critica omissão da CBF e Bolsonaro: 'Governo da morte, não da vida'