Justiça dos EUA libera Marin de prisão por risco de coronavírus

Em 2018, Marin foi sentenciado a quatro anos de prisão pela mesma juíza por crimes cometidos quando foi presidente da CBF

José Maria Marin, ex-presidente da CBFJosé Maria Marin, ex-presidente da CBF - Foto: AFP

O ex-presidente da CBF José Maria Marin foi liberado nesta segunda-feira (30) da prisão nos Estados Unidos por risco de contrair o novo coronavírus. Segundo o site de notícias americano Bloomberg, os advogados citaram a pandemia da covid-19 no pedido, que foi aceito pela juíza distrital Pamela Chen, do Brooklyn, em Nova York.

Marin tem 87 anos e cumpre pena em uma prisão federal em Allenwood, na Pensilvânia. O pedido da defesa foi feito no domingo (29) em caráter de urgência. Foram mencionados também o histórico médico e a idade avançada do ex-cartola, que também foi governador do estado de São Paulo nos anos 1980.

Os procuradores do caso concordaram com a redução e o imediato encerramento da pena. Chen considerou que já foi registrado o cumprimento de 80% da sentença.

Em 2018, Marin foi sentenciado a quatro anos de prisão pela mesma juíza por crimes cometidos quando foi presidente da CBF. Seu mandato aconteceu entre 2012 e 2015, quando ele foi preso na Suíça e depois extraditado para os Estados Unidos. As acusações incluíram lavagem de dinheiro, organização criminosa e fraude bancária. No lado esportivo, o ex-dirigente foi banido do futebol pela Fifa no ano passado.

Leia também:
Dirigente da RBR propôs infectar com coronavírus pilotos da equipe
Clubes da Série D pedem à CBF manutenção da fórmula e suporte financeiro

Veja também

Após show, Rebeca Andrade comemora 'decisões inteligentes' na ginástica
Jogos Olímpicos

Após show, Rebeca Andrade comemora 'decisões inteligentes' na ginástica

Seleção brasileira de vôlei feminino vence Coreia do Sul na estreia
Jogos Olímpicos

Seleção brasileira de vôlei feminino vence Coreia do Sul na estreia