Esportes

Justiça manda Corinthians pagar R$ 12 milhões por falha em meia-entrada

Segundo o Ministério Público, o clube não vende essa modalidade de tíquete no site Fiel Torcedor desde 2015

Arena Corinthians, em Itaquera, São PauloArena Corinthians, em Itaquera, São Paulo - Foto: Divulgação/site oficial

O Tribunal de Justiça de São Paulo mandou o Corinthians pagar uma multa de R$ 12.359.532,97, além de 10% de honorários advocatícios, por descumprir um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) de 2012, que regulamenta a oferta de meia-entrada. Segundo o Ministério Público, o clube não vende essa modalidade de tíquete no site Fiel Torcedor desde 2015.

A decisão da juíza Renata Martins de Carvalho, da 42ª Vara Cível, foi publicada no último dia 21. O clube tem prazo de 15 dias para quitar a punição -contados após recebimento de carta AR. A equipe alvinegra é cobrada por desrespeitar o acordo desde Campeonato Paulista de 2015, mas ainda pode recorrer.

Procurado pela reportagem, o clube se pronunciou via assessoria. "O Sport Club Corinthians Paulista informa que não se manifesta publicamente sobre ações judiciais em andamento, mas que o fará nos autos, no prazo legal."

Leia também:
Libertadores pode ter grupos com Corinthians e Palmeiras e Gre-Nal
Organizador do encontro de sertanejos com Bolsonaro diz que classe não é contra meia-entrada

O Ministério Público de São Paulo protocolou a ação no dia 2 de janeiro deste ano. Os outros grandes clubes do estado, Palmeiras, Santos e São Paulo, também assinaram o TAC em 2012, sob pena de multa de R$ 50 mil por partida caso descumprissem algum dos itens.

A reportagem teve acesso a ação nesta quarta-feira (5), e nela não constavam manifestações do clube. O Ministério Público recebeu denúncias em 2014 de que o Corinthians não estaria cumprindo o documento assinado em 2012. A partir daí, tentou esclarecer a situação em uma audiência com o time, que alegou ter condições de responder a respeito somente após o término da Copa do Mundo, disputada no Brasil. O que não ocorreu.

Em trecho do processo, o promotor Luiz Ambra Neto afirma que a resposta corintiana sobre o assunto veio apenas em 20 de abril de 2017, "quando um representante do clube afirmou que persistiam dificuldades na venda de meia-entrada pela internet, bem como comprometeu-se a esclarecê-las em 30 dias" . Ainda segundo Ambra Neto, "em profundo descaso com Ministério Público, o Corinthians não mais trouxe informações".

Entre os itens listados no acordo, com base no Código de Defesa do Consumidor e no Estatuto do Torcedor, está a venda de ingressos de meia-entrada pela internet.
Em 2011, um inquérito civil foi aberto para apurar a situação de venda dessa modalidade de tíquetes pelos quatro principais clubes de São Paulo. Na ocasião, um representante do Corinthians afirmou que a aquisição de ingressos de meia-entrada para o Campeonato Paulista daquele ano ocorria somente em postos físicos de vendas.

A petição do MP no início deste ano também é embasada com informações da Fundação Procon, que diz não ter identificado opção de compras para estudantes, professores e jovens de baixa renda em 2018. Há também no processo o relato de um torcedor que não conseguiu comprar pela internet o ingresso de meia-entrada para final da Copa do Brasil de 2018, com resposta da própria ouvidoria do Corinthians -no site Reclame Aqui- que essa compra deveria ser realizada somente na bilheteria, "onde é necessário apresentar documentos".

Ambra Neto também escreve nos autos que foi simulada a aquisição de ingresso para jogo entre Corinthians e Fortaleza, no dia 6 de novembro de 2019, e não houve sucesso.

Veja também

Governo britânico autoriza venda do Chelsea para um grupo liderado pelo americano Todd Boehly
Futebol

Governo britânico autoriza venda do Chelsea para um grupo liderado pelo americano Todd Boehly

Sport anuncia saída de Rodrigão
Sport

Sport anuncia saída de Rodrigão