Kroos elogia Zidane após renovar com o Real Madrid

O alemão assinou com o clube merengue até 2022

LetruxLetrux - Foto: Divulgação

O alemão Toni Kroos compareceu a entrevista coletiva nesta quinta-feira, após assinar a renovação de contrato com o Real Madrid até 2022, e elogiou o técnico Zinedine Zidane, que classificou de "muito importante".

"Eu não leio muito os jornais, não sei quais são as críticas. Mas Zidane é muito importante. Sofremos vários empates. Algumas vezes não jogamos bem e as críticas são merecidas, mas há outras partidas que empatamos e que merecíamos a vitória. O importante é seguir jogando como equipe e é isso que o técnico está buscando", declarou o alemão.

O Real Madrid joga neste domingo fora de casa contra o Betis e busca se reencontrar com a vitória, depois de uma sequência de quatro empates consecutivos, três no Campeonato Espanhol e um na Liga dos Campeões. "Acho que não estamos no caminho errado. O ambiente na equipe é bom. Não é fácil ganhar sempre. Talvez tenhamos que melhorar como conjunto, dar mais de nós, mas sofremos com três ou quatro jogadores importantes lesionados", analisou.

Kroos, que chegou ao Real Madrid em 2014 após ser campeão do mundo com a Alemanha, também falou da renovação do contrato com o clube espanhol. "Foram dois anos magníficos para mim. Tomei esta decisão e é uma decisão conjunta. O Real Madrid tem um grande futuro, a situação é magnífica, minha família está feliz aqui e tudo isto conta para tomar esta decisão", explicou. "Comecei muito cedo, com 17 anos, no profissional. Estou há nove anos jogando em alto nível, me sinto bem. Minha intenção é continuar nesse nível esse seis anos que ainda tenho de contrato e quero me aposentar ainda jogando bem. Mas isso está longe", concluiu o meia de 32 anos.

Veja também

F1 estreia em 2020 disposta a ressignificar padrões
Automobilismo

F1 estreia em 2020 disposta a ressignificar padrões

Leeds de Bielsa está cada vez mais perto de voltar a disputar a Premier League
Futebol

Leeds de Bielsa está cada vez mais perto de voltar a disputar a Premier League