Liga das Nações: oscilante, Brasil perde para a Itália

No encerramento da Fase Classificatória da Liga das Nações, nesta quinta (14), seleção foi derrotada por 3x2

Seleção feminina de vôlei na Liga das NaçõesSeleção feminina de vôlei na Liga das Nações - Foto: Divulgação/FIVB

A seleção brasileira encerrou a Fase Classificatória da Liga das Nações, nesta quinta-feira (14), com uma derrota para a Itália, por 3x2 (parciais de 25/22, 20/25, 25/17, 19/25 e 12/15). Assim, finaliza essa primeira etapa da disputa com uma campanha de 12 vitórias e três derrotas, somando um total de 35 pontos.

Até o momento, a equipe é vice-líder na classificação, mas pode ser ultrapassada pela Sérvia no complemento da rodada. Os jogos ainda em aberto não mudam, contudo, a definição das classificadas para a Fase Final: China, EUA, Brasil, Turquia, Holanda e Sérvia.

Agora, as delegações terão 12 dias para recuperar as atletas após o intenso ritmo de viagens da Fase Classificatória e ajustar os ponteiros para a Fase Final da Liga das Nações, que tem início no próximo dia 27, na China. Os seis times classificados serão divididos em dois grupos e, após jogarem entre si, os dois melhores de cada grupo avançarão para o mata-mata semifinal e final.

Leia também:
Liga das Nações: Brasil abusa dos erros, mas vence Rússia
Liga das Nações: Brasil cai para EUA e liderança escapa
Liga das Nações: Brasil abre semana mais difícil em clássico contra a China
Liga das Nações: apesar dos erros, Brasil vence Holanda
Brasil vence a Polônia por 3x0 na Liga das Nações
Seleção feminina convoca para a Copa Pan-Americana
Brasil derrota a Coreia do Sul pela Liga das Nações
Brasil vence dominicanas na Liga das Nações
[Imagens] Brasil atropela Argentina na Liga das Nações
Na Liga das Nações, Brasil tira os 100% da Turquia
Brasil vira e faz 3x1 na Sérvia pela Liga das Nações
Seleção feminina vence primeira na Liga das Nações de vôlei
Seleção feminina estreia com derrota na Liga das Nações

Jogo

Contra a Itália, time de nível técnico mais elevado do que as duas últimas adversárias – Bélgica e Tailândia – o técnico José Roberto Guimarães colocou a base titular em quadra, com Roberta, Gabi, Amanda, Adenízia, Bia e Suelen. A única novidade foi a oposta Monique no lugar de Tandara, poupada.

Embora tenha entrado na partida já sem chances de classificação para a Fase Final, a Itália encarou o duelo com seriedade. No primeiro set, as equipes fizeram um confronto equilibrado, trocando pontos até a reta final, quando o sistema de bloqueio brasileiro desequilibrou. Bia – duas vezes – e Amanda fizeram a diferença no momento de decisão e frearam as italianas. Assim, o Brasil deslanchou e fechou em 25/22.

A seleção até ensaiou abrir vantagem no placar no início da segunda parcial, mas as italianas não baixaram a cabeça. Lideradas pela excelente atacante Egonu, as donas da casa não só viraram como começaram a se distanciar, abrindo 12/15. José Roberto Guimarães, então, tirou Roberta e Monique para as entradas de Macris e Rosamaria, fazendo a função de oposta. As mexidas não surtiram efeito desejado e a Itália continuou a dominar a partida. Investindo principalmente nos saques forçados, fez 14/20. As titulares retornaram, o time ensaiou uma reação, mas não foi suficiente para evitar a derrota por 20/25.

No início do terceiro set, o bloqueio brasileiro voltou a crescer, devolvendo a confiança à equipe, que abriu 11/3. Outra vez, o grupo oscilou diante do crescimento das italianas e viu as adversárias voltarem à partida em 14/11. José Roberto Guimarães interveio e chamou a atenção do grupo, que recuperou o foco no bloqueio e na defesa e fechou em 25/17.

Depois de uma grande atuação no final do terceiro set, as brasileiras voltaram a cair de rendimento, permitindo as italianas abrirem 7/14. Ponto a ponto, a a seleção até conseguiu encostar no placar (12/14), mas não teve solidez necessária para manter a reação e virar a parcial, vencida pelas anfitirãs por 19/25.

Essa oscilação é um aspecto importante a ser trabalhado na seleção nacional, que alterna momentos de excelência e apagões às vezes dentro de um único set. Tal condição pode prejudicar o desempenho do grupo na Fase Final, na qual o nível tende a evoluir e qualquer deslize pode comprometer as chances de pódio.

O tie-break começou ponto a ponto, mas a variação de saque e o bloqueio italiano logo deixaram as anfitriãs abrirem vantagem (7/10). Aos poucos, as brasileiras conseguiram diminuir a diferença e empataram no 10/10, mas voltaram a cometer erros e facilitaram a vida das adversárias, que fecharam em 12/15.

Liga das Nações feminina

1ª semana:
Barueri (SP)

15.05 – Brasil 1 x 3 Alemanha (25/15, 22/25, 18/25 e 20/25)
16.05 – Brasil 3 x 1 Japão (22/25, 25/18, 25/23 e 25/11)
17.05 – Brasil 3 x 1 Sérvia (23/25, 25/22, 25/14 e 25/21)

2ª semana:
Ancara (Turquia)

22.05 – Brasil 3 x 1 Turquia (25/17, 25/19, 23/25 e 25/21)
23.05 – Brasil 3 x 0 Argentina (25/9, 25/21 e 25/14)
24.05 – Brasil 3x 0 República Dominicana (25/20, 25/10 e 25/13)

3ª semana:
Apeldoorn (Holanda)

29.05 – Brasil 3 x 1 Coréia do Sul (25/11, 25/14, 31/33 e 25/20)
30.05 – Brasil 3 x 0 Polônia (25/20, 25/20 e 25/23)
31.05 – Brasil 3 x 1 Holanda (25/23, 26/24, 13/25 e 25/22)

4ª semana:
Jiangmen (China)

05.06 – Brasil 3 x 2 China (19/25, 25/23, 27/25, 10/25 e 16/14)
06.06 – Brasil 1 x 3 Estados Unidos (23/25, 28/26, 21/25 e 18/25)
07.06 – Brasil 3 x 2 Rússia (15/25, 25/21, 25/20, 19/25 e 17/15)

5ª semana:
Eboli (Itália)

12.06 – Brasil 3x0 Bélgica (25/15, 25/14, 21/25 e 25/23)
13.06 – Brasil 3x1 Tailândia (25/16, 25/22, 18/25 e 25/13)
14.06 - Brasil 2x3 Itália (25/22, 20/25, 25/17, 19/25 e 12/15)

 

Veja também

Vôlei: seleção feminina garante vice-liderança na Liga das Nações
Vôlei

Vôlei: seleção feminina garante vice-liderança na Liga das Nações

Espanha desperdiça pênalti e não sai do empate contra Polônia na Eurocopa
Eurocopa

Espanha desperdiça pênalti e não sai do empate contra Polônia na Eurocopa