Longe do pódio, Brasil melhora na São Silvestre com veterano

O veterano Giovani dos Santos, 37, foi o melhor brasileiro. Ele terminou na oitava posição, com tempo de 46 minutos e 38 segundos

Milhares de corredores se reuniram nas ruas de São Paulo para a tradicional São SilvestreMilhares de corredores se reuniram nas ruas de São Paulo para a tradicional São Silvestre - Foto: Miguel Schincariol/AFP

Não foi em 2018 que o Brasil retornou ao pódio da corrida de São Silvestre, mas os atletas brasileiros conseguiram pelo menos melhorar seu desempenho em relação à prova do ano anterior.

Em 2017, o país não emplacou ninguém nos cinco primeiros colocados, entre homens e mulheres, pela primeira vez desde 2011. O fato se repetiu agora. Nos tempos e na colocação final, porém, os corredores da casa podem comemorar algum avanço.

O veterano Giovani dos Santos, 37, foi o melhor brasileiro. Ele terminou na oitava posição, com tempo de 46 minutos e 38 segundos. Em 2017, Ederson Pereira, 28, o melhor colocado do país, havia terminado em 12º, 20 segundos acima da marca de Giovani.

Na categoria feminina também houve leve melhora. Jenifer Silva, 27, encerrou a São Silvestre de 2018 em oitavo lugar, com 54 minutos e 5 segundos, um segundo a menos do que Joziane Cardoso no ano passado, que ultrapassou a linha de chegada em décimo.

Nos dois gêneros, os brasileiros chegaram bem depois dos primeiros colocados.

Giovani, que já tem seis pódios de São Silvestre na carreira e atualmente está sem clube, alerta para a falta de renovação do atletismo no país.

Leia também:
Etíope desbanca bicampeão na São Silvestre; jovem queniana também vence
Brasileiros correm contra nova marca negativa na São Silvestre


"A gente tem pouco apoio. Você não vê hoje alguém novo aparecendo. Acaba ficando só entre os que estão [no circuito]. A gente não vê essa nova era. Como vão descobrir novos talentos?", disse o atleta.

O experiente fundista também comentou o jejum de vitórias brasileiras na corrida. O país não vence a São Silvestre desde 2010, quando Marílson dos Santos conquistou o terceiro de seus três títulos no evento (2003, 2005 e 2010).

"As pessoas veem os brasileiros correndo, mas ninguém pergunta se estão precisando de apoio, treinando no lugar ideal. Treino eu e Deus no asfalto. Precisávamos nos unir mais, a própria CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo) poderia fazer um trabalho com os cinco melhores brasileiros e as cinco melhores, para fazermos uma São Silvestre melhor", afirmou ele, que comparou a realidade vivida pelos concorrentes.

"Os africanos sempre estão juntos, treinando em grupo. No Quênia, eles sempre buscam renovação. A gente precisa disso também."

Jenifer Silva, que tem um título de Troféu Brasil nos 5.000 m, em 2016, se disse contente com seu desempenho individual, mas também criticou a formação de atletas e a situação do esporte brasileiro.

"Os mais antigos conseguiam ficar entre os cinco melhores. Falta um pouco mais de apoio nas categorias de base. O Bolsa Atleta era uma parte que ajudava a gente a complementar nosso trabalho", disse a atleta do clube Pinheiros.

Na última semana, o governo Michel Temer (MDB) anunciou um corte de 47,5 % no número de bolsas do programa para 2019, além do fim das categorias atleta estudantil e atleta de base.

"Com o meu resultado fico muito feliz, muito satisfeita. Mas tem outras coisas que deixam a gente um pouco chateada", completou Jenifer.

Em janeiro de 2018, a B3, mais forte equipe do país, anunciou o encerramento de suas atividades depois de 16 anos. Agora em dezembro, o Cruzeiro informou os responsáveis pelo atletismo do clube, cuja equipe tem 34 anos, que o departamento será fechado. A São Silvestre marcou a despedida dos mineiros.

Veja também

Chateado, Martelotte se desculpa com o torcedor e lamenta permanência na série C
Santa Cruz

Chateado, Martelotte se desculpa com o torcedor e lamenta permanência na série C

Gestão Constantino Júnior fecha ciclo sem conquistas
Futebol

Gestão Constantino Júnior fecha ciclo sem conquistas