Lucas Hernández diz que Griezmann merece ser melhor do mundo

Companheiros no Atlético de Madrid, o zagueiro acredita ser injusto Griezmann não está entre os indicados da Fifa

Griezmann ficou de fora dos três indicados a melhor do mundo Griezmann ficou de fora dos três indicados a melhor do mundo  - Foto: Franck Fife/AFP

O versátil defensor francês Lucas Hernández, do Atlético de Madrid, apontou nesta terça-feira (04) o companheiro de equipe e compatriota Antoine Griezmann como jogador com potencial para conquistar o prêmio Bola da Ouro, da revista "France Football".

"Ele merece, para mim, é o favorito. Se destacou em todas as competições que jogou neste ano", disse o lateral-esquerdo, campeão mundial, em entrevista a publicação que entrega um dos mais tradicionais premiações do futebol mundial.

Leia também:
Griezmann se reapresenta ao Atlético de Madri
CR7, Modric e Salah concorrem ao Jogador do Ano da UEFA
CR7 disputará prêmio de melhor do mundo com Modric e Salah


A entrevista foi veiculada um dia após a divulgação dos indicados como finalistas do prêmio de melhor da temporada pela Fifa, no The Best, o português Cristiano Ronaldo, o croata Luka Modric e o egípcio Mohamed Salah. Para Hernández, no entanto, nenhum foi páreo para o companheiro.

"É o ano de Griezmann", garantiu o defensor.

Hernández também falou sobre o técnico Didier Deschamps, da seleção francesa, que o lançou como titular na Copa do Mundo, apesar da pouca experiência.

"Não podia decepcioná-lo. No início, me escolheu por minhas qualidades como zagueiro, mas, logo me pediu para que tentasse coisas diferentes, que assumisse riscos no ataque. Até Diego Simeone disse ter descoberto coisas novas em mim", brincou o jogador, se referindo ao comandante argentino do Atlético de Madrid.

Veja também

Kevyn testa positivo para Covid-19 e desfalca Náutico
Futebol

Kevyn testa positivo para Covid-19 e desfalca Náutico

Casagrande critica omissão da CBF e Bolsonaro: 'Governo da morte, não da vida'
Opinião

Casagrande critica omissão da CBF e Bolsonaro: 'Governo da morte, não da vida'