Jogos eletrônicos
Jogos eletrônicosFoto: PxHere

Ter a maioria dos atletas atuando fora do país é uma realidade antiga na seleção brasileira. Agora, o êxodo dos principais talentos é replicado no mundo das competições virtuais de futebol. Cinco dos oito jogadores convocados pela CBF para definir a dupla que representará o Brasil na Copa eNations da Fifa, dias 13 e 14 de maio, em Londres, defendem equipes da Europa, inclusive os dois selecionados. A premiação para os campeões será de 40 mil dólares (R$ 154 mil).

O paulista Ébio Bernardes, 21, é um dos representantes brasileiros. Terceiro colocado no ranking internacional na plataforma Xbox, ele assinou em janeiro contrato de um ano com o Wolverhampton (ING), que nos gramados disputa a Premier League. "Em 2018, quando acabou o contrato com a minha ex-equipe, continuei jogando por conta própria e me classifiquei para o Mundial. Consegui ganhar de grandes jogadores, campeões mundiais, e isso despertou o interesse do Wolves [apelido do Wolverhampton]", diz Bernardes à Folha de S.Paulo.

Leia também:
Jovens viram profissionais no Fifa e cobram por dicas


Ébio reside no Brasil, mas mantém relação diária com seu técnico, Ary Paiva, brasileiro que mora na Irlanda. Ele recebeu uniforme completo do time inglês, agasalhos, bonés e tênis. "Como um jogador de futebol", explica. Sob a orientação de treinador, treina de três a quatro horas por dia em períodos sem competições. Quando os torneios se aproximam, ele aumenta a carga para de cinco a oito horas diárias.

Por questões contratuais, o jogador não pode revelar quanto recebe mensalmente do Wolves, mas o valor está próximo de um salário mínimo nacional (R$ 998). Foram chamados à seletiva os quatro brasileiros mais bem ranqueados em cada console (Xbox e Playstation) no Global Series, ranking mundial do Fifa. Somente o campeão de cada plataforma foi premiado com a vaga para defender o país em Londres.

Além de Ébio, Victor Tores, 18, também representará o Brasil. O jogador do Ajax eSports (HOL) ficou em terceiro na seletiva da CBF, mas herdou a vaga de Paulo Neto, 16, desclassificado pela Fifa porque não tinha completado 16 anos até 31 de outubro de 2018, uma exigência do regulamento. Os dois terão todos custos da viagem bancados pela CBF.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: