Grevthar deixou para trás amigos e família para seguir o sonho de ser jogador profissional
Grevthar deixou para trás amigos e família para seguir o sonho de ser jogador profissionalFoto: Red Canids/Divulgação

Criado em 2009, o League of Legends comemora dez anos anos no topo do mundo dos esportes eletrônicos. Com números impressionantes de audiência e uma comunidade cada vez mais engajada em aspectos que vão além do duelo 5x5, o jogo também influencia a vida de milhões de pessoas pelo mundo. De Paris, palco da edição 2019 da decisão do Mundial, neste domingo, a Pernambuco. Dos jogadores profissionais até o fã mais assíduo. Dos cosplayers, que se caracterizam como o personagem favorito até narradores, que sonham em chegar aos principais campeonatos um dia.

Jogador da Red Canids Kalunga, o pernambucano Daniel "Grevthar" Xavier deixou para trás amigos e família no Recife para seguir o sonho de ser um jogador profissional. Contratado primeiramente pela paiN Gaming, tradicional organização brasileira, ele se destacou e acabou sendo chamado para a equipe da Red. “Me sacrifiquei para vir atrás do meu sonho, e isso mudou minha vida. A cada dia que se passa, a cada minuto, eu lembro quanto eu sacrifiquei minhas coisas e quanto eu preciso ser o melhor para corresponder às expectativas”, comenta o atleta.

Grevthar conta que o interesse pelo League of Legends surgiu através do irmão, mas que desde cedo se interessava pelo universo dos games. “Sempre fui apaixonado pelo mundo dos jogos. Fui para a primeira lan house aos 9 anos. Nunca jogava só por jogar. Gostava de ser o melhor, de me provar para os amigos”, diz. A aptidão para as competições o fez deixar o curso de engenharia para se dedicar ao League of Legends, se tornando uma jovem promessa do cenário brasileiro. “Quando eu joguei um campeonato no Paço Alfândega para 3 mil pessoas e vi aquele público, vi que era o que eu queria”, finaliza.

Já para a cosplayer Kamila Ferreira, de 20 anos, o League of Legends ajudou a conhecer novas cidades, eventos e também a encontrar um direcionamento profissional e pessoal. “Eu sempre me caracterizo e faço tudo com muito amor. Nunca imaginei que até trabalho eu conseguiria por conta do cosplay”, diz.

Jogadora de LoL desde os 14 anos, a cosplayer passou a ser convidada para eventos como a final do Campeonato Brasileiro de League of Legends 1ª etapa de 2017, realizada no Recife. Na ocasião, ela conta que caracterizou-se como a personagem favorita dentro do jogo, Jinx. “Ela é meio louquinha feito eu, então quando me visto como ela, posso ser eu também”, completa.

Leia também:
Mundial de LoL: com IG e FPX, semifinais começam neste sábado
LoL: Emicida será o dublador da nova skin do Ekko


De acordo com Kamila, que possui 89 mil seguidores em sua conta no Instagram, a missão agora é alçar vôos mais altos.“Queremos mostrar o cosplay nordestino para fora, valorizar os cosplayers daqui. Muitas vezes é difícil comprar itens, temos que importar e nem sempre dá para mostrar nosso trabalho”, enfatiza a jovem.

Um Sonho Pela Voz

Um hobby que virou sonho. Um sonho que busca ser uma profissão. Esse é o roteiro do estudante de Sistemas da Informação, Giovanni Veloso. Narrando campeonatos locais de League of Legends, ele encontrou no jogo uma vocação e um meio de expressão da paixão pelo jogo. "Ainda não tinha muita perspectiva do que queria fazer na minha vida, mesmo na universidade. Nessa época eu comecei a jogar, tive a oportunidade de presenciar muitos eventos e descobri esse mundo. Falo para muita gente que o LoL deu um direcionamento para meus objetivos de vida", explica Veloso.

Ainda no Recife, o estudante busca alcançar o estrelato no cenário nacional e seguir o sonho. "Meu objetivo principal é seguir na carreira e quero que meus trabalhos sejam reconhecidos no Centro-Sul e nas grandes ligas de LoL no Brasil", completa.

Grevthar deixou para trás amigos e família para seguir o sonho de ser jogador profissional
Grevthar deixou para trás amigos e família para seguir o sonho de ser jogador profissionalFoto: Red Canids/Divulgação
Jogadora de LoL desde os 14 anos, cosplayer Kamila conheceu novas cidades, eventos e também encontrou vocação
Jogadora de LoL desde os 14 anos, cosplayer Kamila conheceu novas cidades, eventos e também encontrou vocaçãoFoto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco
Narrador de campeonatos locais, Giovanni Veloso encontrou no jogo direcionamento para seus objetivos de vida
Narrador de campeonatos locais, Giovanni Veloso encontrou no jogo direcionamento para seus objetivos de vidaFoto: Leo Malafaia/Folha de Pernambuco

veja também

comentários

comece o dia bem informado: