China conseguiu diminuir incidência de casos, mas ainda não definiu prazo para encerrar paralisação no esporte
China conseguiu diminuir incidência de casos, mas ainda não definiu prazo para encerrar paralisação no esporteFoto: Image Source/Folhapress

Aos poucos, a China tenta restabelecer o retorno ao cotidiano. Primeiro epicentro da pandemia do novo coronavírus, o país conseguiu diminuir a incidência de casos e já vislumbra uma retomada de atividades que antes estavam paradas. Uma delas é o futebol. Na última segunda, por exemplo, alguns clubes voltaram aos treinos. Ainda assim, o governo local não definiu um prazo para encerrar a paralisação no esporte. A Folha de Pernambuco conversou com dois atletas pernambucanos que estão em Macau, região administrativa especial da China, para saber como anda o ambiente na Ásia três meses após a origem da doença.

O atacante Danilo Lins, ex-Náutico, e o meia Diego Patriota, ex-Sport, jogam pelo Chao Pak Kei. Foi o atleta formado na base do Leão, que está desde 2013 na Ásia, o responsável por convidar o antigo prata da casa alvirrubro para jogar na antiga colônia portuguesa, em 2018. Mesmo atuando pelo mesmo clube, a dupla vive em locais diferentes. Diego joga e mora em Macau, enquanto Danilo está em Hengqin, na China. O que fez toda a diferença na hora de retornar aos trabalhos.

"Eu jogo em Macau, mas moro na cidade que faz divisa lá. Meu time voltou a treinar, Diego também, mas eu não comecei porque eles fecharam a fronteira. Ninguém pode entrar ou sair. O nosso campeonato deveria começar em fevereiro, mas como aconteceu essa doença, ele foi suspenso. Agora, com os casos diminuindo, nós estamos na expectativa que retorne em maio", contou Danilo.

"Aqui, aos poucos todos foram perdendo mais o medo. Mas isso foi depois de dois meses de quarentena. Mesmo assim, as pessoas seguem tomando as medidas pedidas pelo governo, saindo de máscara e álcool em gel. Sem falar que eles aferem a temperatura em vários lugares. Supermercados, restaurantes e até em condomínios. Minha filha não voltou ao colégio ainda, mas foram disponibilizadas aulas online para ela", explicou, indicando que o comportamento dos habitantes da região foi o diferencial para conter a expansão da doença. "O Brasil está vivendo algo que nós vivemos aqui em janeiro e fevereiro. Mas o povo aqui é obediente, ficou em casa e seguiu todas as recomendações, sem visitas ou aglomerações. O mesmo precisa ser feito pelos brasileiros."

Com um território de apenas 115 km², Macau é menor do que Recife (218 km²). O local é conhecido como a "Vegas do Oriente", por conta dos cassinos. Cenário geralmente tomado por turistas, mas que ficou deserto por alguns dias. "Todos essas áreas que geravam aglomeração foram fechadas. Tivemos dez casos iniciais aqui, mas todos se recuperaram. Depois, nós ficamos 36 dias sem mais infecções. Isso porque houve a quarentena. Mesmo assim, o surto acabou voltando porque algumas pessoas que vieram da Europa trouxeram o vírus. Mas aí a região se fechou novamente. Agora, os serviços estão voltando aos poucos, com algumas orientações. Uma delas é: você precisa mostrar uma declaração diária de saúde para sair de casa. Para entrar em repartições, locais públicos, você precisa apresentar esse documento, que pode pegar após preencher um questionamento que o governo manda diariamente. Sem isso, não pode circular. Eu voltei aos treinos e preciso desse papel para sair", frisou Diego Patriota.

Leia também:
China encontra dificuldades para retomar futebol após o coronavírus
China não permite reinício de competições por temor a nova onda de coronavírus


Em fevereiro, Diego esteve no Brasil por 15 dias e contou que os cuidados com a pandemia no País poderiam ter começado bem antes. "Tenho um irmão que trabalha no comércio informal e uma mãe que está no grupo de risco. Fui visitá-los há alguns meses e, mesmo sabendo que eu estava vindo da China, ninguém pediu para tirar minha temperatura ou questionou minha chegada. Eu até poderia ser um portador da doença. Os chineses são mais preparados, não tem como comparar. Acredito que a polarização política aqui também tem prejudicado nessa questão. Deveria existir uma única diretriz. A quarentena não resolve totalmente a questão, mas retarda o crescimento da doença", argumentou.

Indefinição

A Administração Geral do Esporte da China emitiu um comunicado oficial na semana passada anunciando que eventos de grande escala não serão retomados por enquanto. O país fechou as fronteiras e nenhum estrangeiro poderá retornar, por tempo indeterminado, ao local. Os que chegaram recentemente, casos dos brasileiros Hulk e Oscar, do Shanghai SIPG, terão que passar um período de 14 dias em quarentena, mesmo não apresentando sintomas da Covid-19.

China conseguiu diminuir incidência de casos, mas ainda não definiu prazo para encerrar paralisação no esporte
China conseguiu diminuir incidência de casos, mas ainda não definiu prazo para encerrar paralisação no esporteFoto: Image Source/Folhapress
Diego, ex-Sport, e Danilo, ex-Náutico, agora jogam no Chao Pak Kei
Diego, ex-Sport, e Danilo, ex-Náutico, agora jogam no Chao Pak KeiFoto: Reprodução/Instagram

veja também

comentários

comece o dia bem informado: