Mais que o dobro dos gols do Santa nasceu de cruzamentos

Antes de paralisação, Tricolor anotou 22 gols em 17 jogos. Desses, 13 surgiram em cruzamentos e lançamentos

Jeremias comemora gols pelo SantaJeremias comemora gols pelo Santa - Foto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco

Gol por cima, gol por baixo, gol contra do adversário. Não importa, o que vale é marcar e garantir os três pontos. E foi isso que o Santa Cruz fez em 10 das 17 partidas que disputou até aqui, entre Campeonato Pernambucano e Copa do Nordeste, já que não chegou a triunfar pela Copa do Brasil. Ao todo, 22 gols marcados, sendo 13 oriundos de cruzamentos e lançamentos na área. A Folha de Pernambuco anotou esses gols e relembrou as respectivas partidas da temporada.

Pelo Campeonato Pernambucano, a reportagem não levou em consideração o empate sem gols diante do Central, pela quarta rodada. Pelo Nordestão, o mesmo critério foi usado para o duelo contra o Bahia (0x0) e para as derrotas ante CRB (1x0), pela segunda rodada da competição, Fortaleza (3x0), pela terceira rodada e Sport (1x0), pela sexta rodada. Já pela Copa do Brasil, o jogo contra o Atlético-VG, também empatado em 0x0, uma vez que o Tricolor não anotou gols nesses confrontos.

Campeonato Pernambucano

Santa Cruz 3x0 Petrolina:
Depois de uma pré-temporada de indefinições e muitas incertezas, o Santa Cruz estreou no Estadual no dia 18 de janeiro, no Arruda. Boa parte da equipe ainda estava sendo reformulada. Sem muita dificuldade para conduzir a partida, o Tricolor abriu o placar com Pipico, aos 11 minutos do primeiro tempo, que só fez escorar a cobrança de escanteio de Augusto Potiguar. O segundo veio de um cruzamento de Feliphe Gabriel na área. Jeremias arrematou, mas a bola foi rebatida para os pés de Patrick, que fez um bonito gol. O terceiro também surgiu de cruzamento, dessa vez de Paulinho pela direita. Pipico ajeitou e bateu para fechar a conta.

Retrô 1x2 Santa Cruz:
O primeiro foi anotado por Danny Morais, após escanteio cobrado por Didira. E o segundo, marcado por Mayco Félix de letra, em mais uma bola cruzada.

Santa Cruz 1x0 Vitória:
Pipico marcou de pênalti.

Santa Cruz 2x1 Salgueiro:
Com um minuto de jogo, Toty falhou na intermediária do santa e deixou Willian Anicete frente a frente com Maycon Cleiton. O atacante driblou o arqueiro e empurrou para o gol. Em jogada individual, Pipico avançou pelo meio, passou pelo marcador e marcou de fora da área. O segundo foi contra, após cruzamento rasteiro de Fabiano para dentro da área, a bola bateu em Adenilson e entrou.

Afogados 0x2 Santa Cruz:
Cruzamento na área e gol de Danny Morais. O segundo, foi marcado por Toty de rebote, após pênalti perdido por Pipico.

Santa Cruz 2x0 Náutico:
A Cobra Coral dominou a partida do início ao fim. A boa atuação dos corais no decorrer do jogo, deu sinais de que engataria um resultado positivo diante do rival. Em bola lançada por Paulinho, Victor Rangel dominou de perna direita na área e arrematou colocado de esquerda no canto de Jefferson. O segundo tento foi marcado de cabeça por William Alves, após cruzamento pelo alto de Feliphe Gabriel. Os alvirrubros reclamaram de um empurrão do zagueiro tricolor, mas o árbitro sinalizou para o centro do campo.

Santa Cruz 2x1 Decisão:
Chiquinho avançou, observou a passagem de Jeremias, que entrou pelo meio e chutou para abrir o placar - um dos poucos gols do Santa surgidos em jogada trabalhada da lateral para o meio -. O segundo, veio a partir de um cruzamento na medida de Jeremias para Fabiano subir sozinho e fechar o marcador.

Leia também:
'Portas abertas': ex-coordenador do Núcleo de Gestão pode retornar ao Santa
Torcedoras do Santa entram em onda de desafios na 'quarentena'

Copa do Nordeste

Santa Cruz 1x0 ABC:
O Santa Cruz ainda não havia triunfado na competição, com um empate e duas derrotas consecutivas. E, ao que tudo indicava no decorrer da partida, o placar de igualdade arrancado na estreia diante do Bahia iria se repetir. Até que, no momento, o tão criticado lateral direito Toty, engatilhou o respiro dos tricolores, ao marcar o primeiro gol dele com a camisa coral e o único gol do jogo, no último minuto.

Após o tento que surgiu após muita persistência do Santa e do próprio Toty no lance, o técnico Itamar Schulle também extravasou, colocou a camisa na cabeça e correu para os braços da torcida para comemorar o feito junto ao elenco.

Santa Cruz 3x1 Freipaulistano:
O Tricolor começou bem na partida. Abriu o placar no início do jogo, depois de bola levantada na área, mas o árbitro anulou após o bandeira assinalar impedimento. O primeiro gol surgiu dos pés do também criticado Didira, de pênalti. O Toro de Sergipe empatou após falha da zaga coral. No entanto, a virada do time da casa não tardou. Improvisado na lateral esquerda, Célio Santos fez boa jogada e cruzou na área. Victor Rangel, que substituiu Pipico, tentou raspar de cabeça, mas a bola bateu mesmo na testa do zagueiro do Frei e encontrou o caminho no fundo das redes.

O terceiro gol do Santa foi mais uma vez anotado por Didira. Feliphe Gabriel substituiu Célio, após o zagueiro de ofício sentir um desconforto na perna direita, e logo mostrou serviço. Mesmo caído, conseguiu tocar para Mayco Félix, que cruzou rasteiro para Didira coroar seu nome na partida. O meia, inclusive, foi eleito o melhor jogador em campo.

Santa Cruz 3x0 Botafogo/PB:
Pipico abriu o placar de pênalti. Em roubada de bola na defesa, André carregou, esperou a marcação e tocou para Jeremias, que avançou sozinho pela esquerda. O meia só teve o trabalho de cortar para dentro e bater forte. Foi o gol do alívio coral. A equipe jogava com um a menos, depois de Didira receber vermelho direto no início da partida. O terceiro também foi anotado pelo meio-campista. Toty inverteu da direita para a esquerda, Jeremias dominou tranquilamente e chutou forte no canto esquerdo do goleiro.

Leia também:
Executivo do Santa ressalta auxílio: 'passo seguinte vai depender'
Torcedoras do Santa entram em onda de desafios na 'quarentena'

Copa do Brasil

Atlético/GO 1x1 Santa Cruz:
A partida aconteceu no estádio Olímpico e foi válida pela segunda fase da Copa do Brasil. Fazendo jús ao mando de campo, o Dragão começou o jogo impondo maior ofensividade e, por conta disso, o Santa precisou se defender mais. Mas não foi covarde.

O Atlético, no entanto, foi mais efetivo e aproveitou uma bobeada da defesa coral para abrir o marcador, aos 13 minutos iniciais com Renato Kayser. O empate tricolor surgiu após escanteio cobrado por Didira, aos 38 da primeira etapa. Patrick Nonato meio de cabeça, meio de ombro igualou o placar. A vaga foi decidida nos pênaltis e a Cobra Coral levou a pior, ao cair por 4x3.

Veja também

O skate mostra como podemos construir um Brasil melhor, diz Pedro Barros
Jogos Olímpicos

O skate mostra como podemos construir um Brasil melhor, diz Pedro Barros

Pedro Barros brilha e fica com a prata no skate park
Jogos Olímpicos

Pedro Barros brilha e fica com a prata no skate park