Mais uma escrita para ser anulada pelo Timbu

“Temos de saber o tamanho do jogo, mas saber também que não é a última partida do campeonato. Os três pontos de amanhã serão os mesmos contra o Bragantino ou Ceará.

A Vigilante do Amanhã: Ghost in the ShellA Vigilante do Amanhã: Ghost in the Shell - Foto: Divulgação

 

Por conta da oscilação na Série B e a falta de uma sequência de vitórias convincentes sob o comando de Alexandre Gallo, até o final da competição o Náutico terá de provar a cada jogo que merece subir. Desmentir estatísticas, quebrar tabus e se firmar como candidato ao acesso. Foi assim quando o assunto era vencer fora de casa. Trauma superado diante do Paraná. Desta vez, contra o Vasco, amanhã, às 16h30, na Arena de Pernambuco, o desafio é voltar a ganhar dos concorrentes diretos por uma vaga no G4. Neste ponto, o retrospecto do Timbu na atual temporada não é bom.
Diante das equipes que estão a sua frente na classificação, o Náutico tem um aproveitamento de apenas 16,6%. Em 12 partidas, venceu uma - contra o Avaí -, empatou três e perdeu oito. Desses confrontos, cinco foram como mandante e os outros sete como visitante.

Para manter-se vivo na corrida pelo acesso, passar pelos confrontos diretos será fundamental para o Timbu. Além do Vasco, a equipe do técnico Givanildo Oliveira terá mais cinco jogos decisivos: Brasil de Pelotas, Ceará e Atlético/GO, na Arena de Pernambuco, CRB e Avaí, fora de casa. Mas o pensamento inicial do elenco é derrotar a equipe carioca e encostar ainda mais no G4.
“É um tabu que precisa ser quebrado. Estávamos empatando, os outros times ganhando e a gente não subia. Agora, podemos entrar no G4. Então, temos de dar tudo de si. É praticamente uma final. O Vasco é um grande clube e nossa determinação precisa ser além do que se espera. Será difícil, mas vamos tentar quebrar mais essa escrita”, afirmou o atacante Rony.

O clima é de decisão, contudo, o meia Marco Antônio evita trazer pressão para os alvirrubros antes da partida. De acordo com o jogador, o time precisa se conscientizar da importância do jogo, porém, sem esquecer de que há rodadas pela frente após enfrentar o Vasco.
“Temos de saber o tamanho do jogo, mas saber também que não é a última partida do campeonato. Os três pontos de amanhã serão os mesmos contra o Bragantino ou Ceará.

 Mas tem de tratar como final em termos de espírito e luta. Vamos jogar contra uma grande equipe, que demonstra ser a melhor do campeonato e temos de respeitar, porém, não temer. Ficar ciente de que precisamos fazer uma grande atuação para vencê-los”, ressaltou o camisa 10.

 

Veja também

Pela Série D, Central e Salgueiro vencem; Fora, Afogados perde
Série D

Central e Salgueiro vencem; Fora, Afogados perde

Juninho Lola lamenta gol no fim: 'Empate caiu do céu para o Cruzeiro'
Náutico

Juninho Lola lamenta gol no fim: 'Empate caiu do céu para o Cruzeiro'