McGregor pode fazer Anderson realizar sonho de superlutas

Brasileiro já esteve envolvido em rumores sobre lutas com Georges St-Pierre, Jon Jones e Roy Jones Jr.

Anderson Silva, lenda brasileira do UFCAnderson Silva, lenda brasileira do UFC - Foto: Anthony Geathers / AFP

O acordo informal entre Anderson Silva e Conor McGregor para uma luta entre os dois soaria como algo impossível de ser realizado. Afinal, o brasileiro já lutou nos médios (até 83,9kg) e meio-pesados (até 93kg), enquanto a luta mais pesada que o irlandês fez foi contra Nate Diaz, no meio-médio (77,6kg). Mas uma coisa que foi deixada clara nos últimos anos é que não existe impossível para McGregor no UFC.

Tratado como uma joia por Dana White desde que entrou na organização, o irlandês virou uma máquina de gerar dinheiro com seu estilo provocativo e poder de nocaute. Vale lembrar que ele precisou de 13 segundos para derrubar um campeão dominante como José Aldo. Assim, foi ganhando cada vez mais espaço na organização e ditando os rumos de seu próprio caminho.

McGregor teve praticamente tudo que pediu para o UFC desde que virou campeão. Com o título dos penas (até 65,8kg) na cintura, foi enfrentar Nate Diaz nos meio-médios após a lesão de Rafael dos Anjos, então campeão dos leves. Foi finalizado no segundo round, na primeira derrota da carreira. Pediu a revanche e conseguiu. Para os penas nunca mais voltou. Decidiu subir de divisão e ganhou o cinturão dos leves, que pertencia a Eddie Alvarez. Depois, foi lutar boxe em um combate milionário com Floyd Mayweather Jr., ex-campeão de boxe e que estava aposentado há dois anos.

O moral que McGregor tem com o UFC pode ser o fiel da balança caso ele realmente queira enfrentar Anderson Silva em um peso casado de 80kg. Dois grandes vendedores de pay-per-view juntos gerariam muito dinheiro e teriam potencial suficiente para encabeçar algum grande card. Por tabela, o irlandês ajudaria o brasileiro.

Anderson Silva foi por muito tempo o "cara" do UFC. Era um campeão dominante nos médios, vendia pay-per-view como poucos, mas nunca conseguiu convencer a organização a lhe deixar fazer uma superluta. Seu maior sonho era enfrentar no boxe o ex-campeão Roy Jones Jr., seu grande ídolo. A organização vetou, mesmo anos depois liberando uma mudança de modalidade para McGregor.

"A diferença é a magnitude do evento. Roy Jones já estava muito longe de seus grandes dias, temos agora a situação de ter o maior boxeador de todos os tempos e um dos mais interessantes personagens entre todos os esportes, uma das grandes estrelas do UFC. Era uma situação única, com o público empolgado com esse evento", explicou Lawrence Epstein, então vice-presidente executivo do UFC, ao UOL, em 2017.

Leia também:
Após elogios, Anderson Silva desafia McGregor para luta
Anderson Silva se naturaliza americano: 'É meu país agora'
Anderson Silva descarta aposentadoria e fala em revanche


Durante os anos de domínio de Anderson Silva, outras superlutas foram cogitadas, contra Georges St-Pierre, então campeão dos meio-médios, e Jon Jones, dono do cinturão dos meio-pesados. Mas nenhuma teve uma pressão tão grande a ponto de fazer o UFC ceder. Na época do brasileiro, não era comum lutadores subirem ou descerem de divisões para enfrentar outros campeões. Desde que McGregor chegou, a história mudou e, anos depois, pode beneficiar o próprio Anderson Silva.

Veja também

Bandeira e outros dez viram réus por incêndio no CT do Flamengo
Incêndio no Ninho

Bandeira e outros dez viram réus por incêndio no CT do Flamengo

CEO da Olimpíada de Tóquio não descarta Jogos com portões fechados
Olimpíada

CEO da Olimpíada de Tóquio não descarta Jogos com portões fechados