McLaren tenta se livrar de vez do 'fantasma' da Honda

O anúncio da troca para o motor Renault aconteceu quando o projeto do carro de 2018 já estava bem adiantado

McLaren terá motor Renault em 2018McLaren terá motor Renault em 2018 - Foto: AFP

O chefe da McLaren, Eric Boullier, assegurou que o acordo para a troca do motor Honda para o Renault para a temporada de 2018 aconteceu a tempo da equipe conseguir adaptar seu carro, em setembro. Afinal, as duas unidades de potência têm conceitos e desenhos completamente diferentes. Mas o diretor-técnico Tim Goss admite que o trabalho não foi fácil.

O anúncio da troca de motor aconteceu quando o projeto do carro de 2018 já estava bem adiantado, e coube ao time liderado por Goss correr para fazer as alterações que devem mudar bastante a traseira da McLaren e, ainda que seja esperada uma evolução natural do time pela maior potência e confiabilidade da Renault, algumas concessões aerodinâmicas tiveram de ser feitas.

Basicamente, existem dois conceitos de unidades de potência na F-1 atual: a abordagem da Mercedes e da Honda é separar o compressor na parte da frente do motor, a turbina na traseira, e o MGU-H (unidade de recuperação de energia calorífica, uma das partes híbridas do motor) no meio do V do motor de combustão. E a opção da Renault e da Ferrari, de colocar o compressor, o MGU-H e a turbina atrás do motor.

Isso traz uma série de consequências para o posicionamento do motor (e a distribuição de peso do carro) e da caixa de câmbio, especialmente para a McLaren, que usava o conceito da Honda para explorar o que ficou conhecido como traseira tamanho zero (alusão à roupa tamanho 34, na numeração britânica), bem mais enxuta que os rivais.

Leia também:
Fórmula 1 anuncia fim das 'grid girls' em suas provas 
Ecclestone critica F-1 por acabar com grid girls
Fórmula 1 muda horário de largada das provas para 2018

"Há coisas que eu amo na abordagem da Renault e coisas que me frustram um pouco, mas no final tivemos sorte de tomar a decisão na hora exata. Não poderíamos ter feito isso mais tarde do que fizemos", reconheceu Goss.

O projetista explicou quais os impactos da troca do motor no carro novo:

- Como o motor Renault tem de ser instalado um pouco mais à frente, isso também fez com que o carro pudesse ser mais curto e aumentou o espaço do difusor que pode ser trabalhado;

- Já que a parte frontal não precisa de tanta refrigeração por não ter a turbina, o carro terá mais espaço para o tanque de combustível;

- A suspensão teve de ser redesenhada para dar espaço para o conjunto turbina-compressor-MGU-H na traseira, e a caixa de câmbio teve de ser alongada.

"Tivemos de reconfigurar o chassi, mudar o sistema de arrefecimento e a caixa de câmbio para fazer o novo motor caber no carro. Mas conseguimos fazer isso sem comprometer significativamente o chassi. Foi uma mudança enorme, mas fizemos um trabalho fantástico. Foi muito intenso, tivemos duas semanas para resolver tudo, mas sabíamos mais ou menos o que precisávamos fazer", disse Goss.

Com a mudança, a McLaren vive a expectativa de voltar a lutar pelo menos por pódios após três anos de muitos abandonos com a Honda. "Tomara que os últimos anos sejam esquecidos rapidamente", disse Fernando Alonso.

"Acreditamos que podemos ser muito, muito competitivos com a Renault e todos os preparativos do carro estão muito mais promissores do que antes", garantiu o espanhol, que vai se dividir em 2018 entre a F-1 e o Mundial de Endurance, categoria na qual correrá com a Toyota.

O lançamento da McLaren será dia 23 de fevereiro, três dias antes do início dos testes coletivos de pré-temporada.

Veja também

Inscrições abertas para os programas Bolsa Atleta Pernambuco e Time PE
Programa

Inscrições abertas para os programas Bolsa Atleta Pernambuco e Time PE

'Seria uma boa para os dois’, diz empresário de Negueba sobre interesse do Santa Cruz
SANTA CRUZ

'Seria uma boa para os dois’, diz empresário de Negueba sobre interesse do Santa Cruz