Milton Cruz mexe em metade do Sport para encarar o Vitória

Em treinamento realizado nesta terça-feira (22), na Arena de Pernambuco, treinador promoveu cinco mudanças entre os titulares

Time do Sport treinou na Arena de Pernambucoi.Time do Sport treinou na Arena de Pernambucoi. - Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Em time que está perdendo se mexe. E muito! Talvez essa seja a linha de raciocínio do treinador Milton Cruz, que sinalizou uma mudança em metade do time titular utilizado no último sábado (19), na derrota por 3x2 para o Flamengo de Arcoverde. Nesta terça-feira (22), o Sport realizou o seu último treinamento antes do duelo contra o Vitória, nesta quarta-feira (23) pela segunda rodada do Campeonato Pernambucano. No total, foram cinco mudanças.

Leia também:
Regularizados, Charles e Luan viram opções no Sport
Sistema defensivo continua sendo grande calo do Sport
Sport sofre virada e perde para o Flamengo/PE na estreia em 2019

No sistema defensivo, duas peças foram modificadas. O lateral-direito Raul Prata deu lugar a Norberto, vindo do América/MG, e na dupla de zaga Walber, bastante criticado na estreia, perdeu a vaga para Chico, atleta da base leonina. As outras três mudanças acontecerem no meio de campo.

Entre os dois volantes, apenas Ronaldo foi mantido, com Charles (ex-Internacional) ganhando uma oportunidade no lugar de Thallyson. No trio de armação, apenas Ezequiel foi mantido em relação ao time derrotado pelo Flamengo de Arcoverde. Os meias Alisson Farias (ex-Internacional) e Leandrinho (ex-Botafogo) ganharam as vagas de Pablo Pardal e Pedro Maranhão, ambos da base leonina.

Com isso, a provável escalação do Sport para encarar o Vitória é: Norberto; Chico, Adryelson e Sander; Ronaldo, Charles, Alisson Farias, Leandrinho e Ezequiel; Hernane Brocador

Veja também

Kevyn testa positivo para Covid-19 e desfalca Náutico
Futebol

Kevyn testa positivo para Covid-19 e desfalca Náutico

Casagrande critica omissão da CBF e Bolsonaro: 'Governo da morte, não da vida'
Opinião

Casagrande critica omissão da CBF e Bolsonaro: 'Governo da morte, não da vida'