Mundo se rende à retomada da Seleção Brasileira

Em pouco menos de seis meses, sob o comando de Tite, a "Canarinha" foi da vergonha ao otimismo

Ex-ministra Cláudia CostinEx-ministra Cláudia Costin - Foto: Divulgação

Ser o melhor, atingir o á­pi­­ce e conquistar a admi­ração de todos. A sen­sação de ser o suprassumo em algo é inebriante. Entorpece aqueles que não sabem li­dar com tanto ufanismo a­lheio para si. E a consequência de uma “gestão” mal admi­nistrada do sucesso é o fra­casso. Para quem já esteve no topo, a queda é sempre maior. Há dois anos, o mundo viu atônito o Brasil ser goleado pela Alemanha, em casa, por 7x1, em uma semifinal de Copa do Mundo. E, mesmo após o trauma, o País continuou sua sucessão de equívocos. Trouxe Dunga - técnico que fracassou em 2010 - e insistiu na “Neymardependên­cia”.

Essa história tinha tu­do para continuar com um tom pessimista nas próximas linhas, mas bastaram seis jo­gos para que o cenário nebulo­so sumisse. Os motivos se­rão ditos logo abaixo. Dizer que o “respeito voltou” signi­ficaria admitir que ele, um dia, foi embora. O mais corre­to seria apontar que, diferente do que era feito antes, não o usamos apenas com base nas glórias de outrora, mas sim como um exemplo do que podemos fazer no presente e no futuro.

Nos primeiros seis jogos das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mun­do 2018, o Brasil ganhou apenas duas partidas, com três empates e uma derrota. O País sequer estava na zona de classificação para a competição. Ninguém mais te­mia a seleção mais vitoriosa do futebol. Demorou, mas a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) trouxe Tite, o melhor técnico nacional para espantar o risco de um vexame mundial. Uma escolha que gerou uma “bola de neve” de acertos.
Saiu o individualismo de Ney­mar, entrou o jogo coletivo. Gabriel Jesus vestiu com perfeição a “9”. Philippe Coutinho ganhou o espaço que já merecia há tempos. Equipe com esquema de jogo definido, defesa sólida e criatividade na frente. Liderança nas Eliminatórias. Com o novo treinador, o aproveitamento é de 100% - seis vitórias. Fo­ram 17 gols marcados e apenas um sofrido. Da 9ª posição no ranking da Fifa, o Brasil foi para o 2º lugar. Um desempenho que trouxe de volta o encanto local e estrangeiro.

Nada de manchetes irônicas ou críticas. Sobram elogios pa­­ra o Brasil pós-Tite. “Ele é um dos melhores do mun­do”, disse o treinador do Pe­ru, Gareca, sobre o comandante brasileiro. Os companheiros de Neymar na frente também foram lembrados. “A busca pelo camisa 9 terminou” e “Excepcional” fo­ram algumas manchetes na Europa sobre Gabriel Jesus. Philippe Coutinho não fica atrás. “Um dos poucos que po­dem melhorar o Barcelona”, disse Xa­vi sobre o meia. Ídolo do Liverpool, o ex-jogador Ja­mie Carragher foi além: “Coutinho é o camisa 10 perfeito”. “O Brasil é a nação do futebol por excelência e seu crescimento é importante para o mundo inteiro”, declarou o presidente da Fifa, Gianni Infantino.

Algozes do Brasil em 2014, os alemães não economizaram nas palavras para “come­morar” o retorno do bom fute­bol brasileiro. “Eles têm um time impressionante e vol­taram de vez ao topo”, a­pontou o zagueiro Hummels. O técnico da seleção da Alema­nha, Joachim Low, foi ain­da mais categórico. “A equipe está em profunda renovação. Vi o jogo contra a Argentina e fiquei impressionado. O 7x1 foi definitivamente superado”, cravou. 

Veja também

Pandolfo evita problematizar situação do Imperatriz e avisa: ‘Estamos focados no jogo’
Série C

Pandolfo evita problematizar situação do Imperatriz e avisa: ‘Estamos focados no jogo’

GPs fora de época fazem F1 se adaptar a frio incomum
Automobilismo

GPs fora de época fazem F1 se adaptar a frio incomum