Na Suíça, negativa em cortar salário provoca demissão de 9 jogadores

O Sindicato dos Jogadores de Futebol da Suíça considerou incorreta e ultrajante a atitude do FC Sion

FC Sion, da Suíça, demitiu nove jogadoresFC Sion, da Suíça, demitiu nove jogadores - Foto: FC Sion/Divulgação

Um dos efeitos mais imediatos da pandemia do novo coronavírus no futebol da Europa, depois da suspensão de quase todos os campeonatos (o de Belarus é exceção), foi a preocupação dos clubes com suas finanças.

Vários alardearam que, se os jogadores não concordassem em reduzir seus salários temporariamente, haveria enorme dificuldade para manter a solvência, já que receitas com ingressos, TV, patrocínios e merchandising serão fortemente afetadas.

Apelo funcionou pontualmente

Na Alemanha, Borusssia Mönchengladbach e União Berlim, este promovido nesta temporada à divisão de elite do campeonato nacional, anunciaram que seus atletas aceitaram abrir mão dos salários -no caso da equipe da capital, integralmente.

Atletas de Bayern de Munique e Borussia Dortmund, os dois principais times da Bundesliga, terão corte, consentido, de 20% em seus vencimentos.

Na Espanha tem havido resistência. O elenco do Barcelona dividiu-se em relação à medida, e o clube a impôs unilateralmente, abrindo margem para atritos com Messi e companhia.

O salário do argentino, camisa 10 e capitão do time da Catalunha, é de € 8,3 milhões (R$ 47,3 milhões) por mês, de acordo com o jornal francês L'Équipe.

Atlético de Madrid e Espanyol também reduzirão os ganhos dos seus futebolistas independentemente de eles concordarem. "Há um único objetivo: assegurar a sobrevivência do clube", justificou Miguel Ángel Gil Marín, diretor-executivo da equipe madrilenha.

Na Itália, a Juventus, atual octocampeã, acertou-se com o elenco, e a economia com salários será, no período de quatro meses, de € 90 milhões (R$ 512,7 milhões).

Inclusive Cristiano Ronaldo aceitou colaborar: o português "sacrificou" € 3,8 milhões (R$ 21,7 milhões) de seu recebimento anual, que é, segundo o L'Équipe, de € 54 milhões (R$ 307,6 milhões). O caso mais chamativo até agora aconteceu na Suíça.

O FC Sion, duas vezes campeão nacional, demitiu nove jogadores -ou um terço do elenco principal- que se recusaram a ter o salário diminuído.

Três deles estiveram em Copa do Mundo: o zagueiro suíço (nascido na Costa do Marfim) Johan Djourou, o volante camaronês Alexandre Song, ambos ex-Arsenal (Inglaterra), e o atacante marfinense Seydou Doumbia.

Também tiveram os contratos rescindidos Ermir Lenjani, Xavier Kouassi, Mickaël Facchinetti, Birama Ndoye, Pajtim Kasami e Christian Zock.

Leia também:

China encontra dificuldades para retomar futebol após o coronavírus
Ministro dos Esportes italiano acha difícil retorno do futebol antes de maio

"Não há por que manter jogadores que se recusam a se empenhar quando todo mundo está se empenhando", afirmou o presidente do Sion, Christian Constantin.

"Eu lhes disse que a redução no salário deles seria praticamente o salário de duas ou três enfermeiras trabalhando duro hoje para salvar vidas."

O Sindicato dos Jogadores de Futebol da Suíça considerou incorreta e ultrajante a atitude do clube. "Não é aceitável esse tipo de comportamento", declarou Lucien Valloni, que preside o sindicato.

"Se uma crise aparece, você tem que dar apoio aos seus funcionários -e não apontar um revólver para a cabeça deles, lhes dizer que têm 24 horas para decidir sobre uma redução salarial e, se eles se recusam, dispensá-los. Isso é um afronte."

"Não foi um sinal de solidariedade. Estávamos buscando uma solução, e os atletas estavam prontos para ajudar os clubes. Um corte de salário, contudo, é prematuro", prosseguiu Valloni.

Ele ressaltou que os jogadores, mesmo sem jogos, continuam a treinar em casa, individualmente. "Continuam trabalhando, então por que devem deixar de ser pagos?", concluiu.

A Fifa tem recomendado a clubes e jogadores que cheguem a acordos amigáveis em relação à questão salarial durante o período da pandemia. São quase 670 mil casos registrados da Covid-19, com mais de 31 mil mortes, em todo o planeta. A entidade máxima do futebol também planeja despender recursos de seu caixa para auxiliar atletas que percam receita.

No Brasil, os clubes queriam reduzir os salários dos jogadores em 25%, porém a proposta foi rejeitada e decidiu-se por férias coletivas nos primeiros 20 dias de abril.

Veja também

Brasil bate recorde de mulheres medalhistas em Tóquio com Ana Marcela
Jogos Olímpicos

Brasil bate recorde de mulheres medalhistas em Tóquio com Ana Marcela

Bruno Moraes lamenta estreia com derrota e prevê evolução após aprimoramento físico
Santa Cruz

Bruno Moraes lamenta estreia com derrota e prevê evolução após aprimoramento físico