Naomi Osaka segue líder do ranking do tênis feminino

Campeã do US Open no ano passado, a japonese desponta como a principal favorita ao título do Grand Slam americano

Tenista japonesa Naomi OsakaTenista japonesa Naomi Osaka - Foto: Eduardo Munoz Alvarez/AFP

A tenista japonesa Naomi Osaka, que há uma semana recuperou o reinado da WTA, manteve pela segunda semana consecutiva sua liderança no ranking mundial.

Osaka esteve perto de perder o primeiro lugar outra vez, mas Ashleigh Barty não conseguiu vencer a russa Svetlana Kuznetsova nas semifinais do Premier de Cincinnati no domingo (18). Se a australiana tibesse ganho teria recuperado novamente o trono.

Já a americana Serena Williams, finalista em Wimbledon deste ano e que perdeu a final há duas semanas do Premier de Toronto, se manteve na oitava posição.

A brasileira Beatriz Haddad Maia ocupa o 99° lugar na lista.

Leia também:
Com título, Daniil Medvedev sobe no ranking da ATP
Naomi Osaka recupera liderança do ranking da WTA
Osaka ganha o Aberto da Austrália e vira líder do ranking


Ranking mundial da WTA de segunda-feira 19 de agosto de 2019:

1. Naomi Osaka (JPN) 6606 pontos
2. Ashleigh Barty (AUS) 6501
3. Karolina Pliskova (CZE) 6315
4. Simona Halep (ROM) 4743
5. Elina Svitolina (UCR) 4492
6. Petra Kvitova (CZE) 4485
7. Kiki Bertens (HOL) 4325
8. Serena Williams (EUA) 3935
9. Aryna Sabalenka (BLR) 3320
10. Madison Keys (EUA) 3267
11. Sloane Stephens (EUA) 3189
12. Anastasija Sevastova (LAT) 3167
13. Belinda Bencic (SUI) 3008
14. Angelique Kerber (ALE) 2870
15. Bianca Andreescu (CAN) 2837
16. Johanna Konta (GRB) 2695
17. Marketa Vondrosouva (CZE) 2651
18. Qiang Wang (CHI) 2593
19. Caroline Wozniacki (DIN) 2537
20. Sofia Kenin (EUA) 2460

Veja também

Com emoção e recorde da pista, Hamilton conquista a pole do GP da Rússia
Fórmula 1

Com emoção e recorde da pista, Hamilton conquista a pole do GP da Rússia

Alerta da OMS de possíveis 2 milhões de mortos pela covid-19 não impede sonho olímpico do Japão
Olimpíadas

Alerta da OMS de possíveis 2 milhões de mortos pela covid-19 não impede sonho olímpico do Japão