Futebol

Náutico escolhe neste domingo (5) o novo presidente para o biênio 2022-2023

Diógenes Braga, Bruno Becker e Plínio Albuquerque lutam para ocupar o cargo máximo do Executivo

Sede do NáuticoSede do Náutico - Foto: Tiago Caldas / CNC

Chegou o dia. Hoje, os sócios do Náutico vão escolher quem será o novo presidente do clube para o biênio 2022-2023. O pleito acontecerá nos Aflitos, das 8h às 17h. Três chapas estão na disputa. Pela situação, o atual vice-presidente de futebol do Timbu, Diógenes Braga, concorre ao cargo máximo do Executivo, na chapa "Avança Náutico". Na oposição, os nomes são Bruno Becker, ex-vice-presidente jurídico do clube, da "Náutico Sustentável", e Plínio Albuquerque, da "Inova Náutico".

Neste ano, 3.765 sócios estão aptos a votar, com seis urnas que ficarão na sede. O clube tem mais de 10 mil associados, incluindo também aqueles que não preencheram os requisitos necessários para participarem do pleito - ser sócio há pelo menos um ano e estar em dia nos últimos seis meses. Os alvirrubros estão divididos em seis categorias: Standard (1.586), Patrimonial (659), Vip (458), Contribuinte (443), Remido (363) e Torcedor Timbu (256).

"Os sócios poderão ir com camisas das chapas que apoiam, mas sem fazer aglomeração ou manifestação. Já solicitamos a presença da Polícia Militar para fazer a segurança no local e impedir que membros de organizada, que não sejam sócios, tentem fazer baderna. Não podemos tolerar atos de violência. Tive uma reunião com os três candidatos e todos se mostraram respeitosos uns com os outros, o que me deixa mais tranquilo", disse o presidente da comissão eleitoral do Náutico, Sílvio Romero Beltrão.

Atual vice de futebol, Diógenes tenta dar continuidade à gestão iniciada por Edno Melo, que preside o clube desde 2018. O mandatário foi aclamado em 2018-2019 e 2020-2021, já que não houve bate-chapa no período. A última eleição no Timbu ocorreu em 2015. Curiosamente, com derrota de Edno para Marcos Freitas, por uma diferença de apenas 10 votos.

O grupo da situação viu o ambiente ficar conturbado após Tatiana Roma, ex-diretora do clube, acusar o irmão do presidente e ex-superintendente financeiro do Náutico, Errisson Melo, de importunação sexual, calúnia, difamação e injúria. O caso foi levado inicialmente ao Conselho Deliberativo do clube, mas não teve andamento, o que fez a ex-funcionária acionar a Justiça. 

O vice de Diógenes Braga é Luiz Filipe Figueirêdo, ex-vice-presidente de marketing e comunicação do clube. Escolha que não foi a primeira do grupo, diga-se. A ideia da situação era contar com Bruno Becker, então vice-presidente jurídico do Timbu, para o cargo. O advogado, porém, não aceitou o convite e, posteriormente, formou uma chapa com Ivan Pinto da Rocha (ex-vice-presidente do Conselho Deliberativo) como candidato a vice. 

Também pela oposição, Plínio Albuquerque tem Waldir Mendonça como candidato a vice. O postulante ao cargo máximo do Executivo é um dos fundadores do "Vermelho de Luta", grupo que lançou Edno Melo nas eleições de 2015.

Veja também

Nome do Robinho sai no BID, mas Timbu segue sem quarteto regularizadoFutebol

Nome do Robinho sai no BID, mas Timbu segue sem quarteto regularizado

Parado na Lei Seca, Adriano Imperador se recusa a fazer teste do bafômetroRio de Janeiro

Parado na Lei Seca, Adriano Imperador se recusa a fazer teste do bafômetro