Náutico estuda volta aos treinos no dia 11 de maio

Vice-presidente do clube, Diógenes Braga, ressaltou que qualquer regresso dependerá do protocolo da CBF e do aval dos órgãos de saúde do estado

Walter Grassmann, preparador do NáuticoWalter Grassmann, preparador do Náutico - Foto: Léo Lemos/Arquivo Náutico

Oficialmente, as férias dos clubes se encerraram nesta quinta (30), após acordo prévio feito com a Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol (Fenapaf) e a Comissão Nacional dos Clubes (CNC), determinada após a paralisação dos jogos por conta da pandemia do novo coronavírus. Na prática, porém, a volta ao cotidiano do esporte ainda não definida. Na última terça, por videoconferência, as instituições se reuniram para debater, inicialmente, o retorno aos treinos - atividades que seriam, em princípio, feitas sem trabalho coletivo entre os atletas. No Náutico, o vice-presidente, Diógenes Braga, ressaltou que qualquer decisão dependerá da CBF e da liberação do Governo do Estado, mas indicou que o Timbu estipulou um prazo para o regresso.

"Existe um protocolo da CBF pré-montado, mas ele precisa ser adaptado aos estados. Depois, eles serão implementados. A esposa do presidente é médica e eu sou veterinário, então sabemos bem da importância da saúde. Não faremos algo sem os protocolos necessários ou a liberação dos órgãos. A possibilidade de reapresentação na sexta é zero. Na segunda, também. Colocamos o retorno incialmente para o dia 11, imaginando, claro, que as autoridades nos liberem para isso", apontou o dirigente.

Na ausência do presidente Edno Melo, que se recupera da infecção do novo coronavírus, Braga tem assumido interinamente os assuntos envolvendo a presidência do clube.

Leia também:
Médico do Náutico explica cuidados com o presidente, diagnosticado com Covid-19
Presidente do Náutico testa positivo para Covid-19

Veja também

Brasileiros são eliminados na estreia do tênis em Tóquio
Olímpiadas

Brasileiros são eliminados na estreia do tênis em Tóquio

Com cortes de vagas e de investimentos, Brasil reduz número de atletas militares nas Olimpíadas
CRISE

Com cortes de vagas e de investimentos, Brasil reduz número de atletas militares nas Olimpíadas