Náutico pode ser punido por descumprir mecanismo de solidariedade

Presidente do clube, Edno Melo, informou que ainda não foi notificado pela CBF sobre a punição; caso seja penalizado, Timbu pode ser impedido de registrar novos jogadores

Edno Melo (à esq) e Diógenes Braga (à dir)Edno Melo (à esq) e Diógenes Braga (à dir) - Foto: Léo Lemos/Náutico

Nas vésperas do jogo de ida das quartas de final da Série C 2019, contra o Paysandu, no Mangueirão, o Náutico foi surpreendido com uma notícia que pode trazer sérios prejuízos. De acordo com uma informação do Globoesporte, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) punirá o Timbu de forma inédita por conta do não pagamento de um valor referente ao Mecanismo de Solidariedade doméstico. A penalização pode gerar o bloqueio do registro de novos atletas para os pernambucanos nos próximos seis meses.

De acordo com a denúncia, que manteve em sigilo o nome do jogador e dos demais clubes envolvidos na situação, o Náutico não teria transferido um valor referente a uma transação de um antigo profissional formado na base de outra equipe. No artigo 58 do Regulamento Nacional de Registro e Transferência de Atletas do Futebol, é dito que “se um atleta profissional transferir-se de forma onerosa em caráter definitivo ou temporário de um clube para outro antes de findo seu contrato especial de trabalho desportivo, os clubes que deram suporte à sua formação e educação receberão uma parte da indenização a título de contribuição de solidariedade, distribuída proporcionalmente ao número de anos em que o atleta esteve inscrito em cada um deles ao longo das temporadas”.

Leia também:
Confira o que mudou no time-base do Náutico de 2018 e 2019
Náutico tem boas memórias do Pará para se inspirar


O mecanismo de solidariedade nas transferências nacionais é de 5% do valor pago pelo novo clube do atleta, sendo obrigatoriamente distribuídos entre os clubes que contribuíram para a formação do atleta, na proporção de 1% para cada ano de formação do atleta, dos 14 aos 17 anos de idade, 0,5% para cada ano de formação, dos 18 aos 19 anos de idade.

Procurado pela Folha de Pernambuco, o presidente do Náutico, Edno Melo, indicou apenas que o clube não foi notificado sobre o assunto. “Como vou falar de algo que ainda não chegou oficialmente? Querem tirar o nosso foco do jogo, mas não vão conseguir porque estamos fechados e pensando apenas no Paysandu", afirmou.

Veja também

Kleina lamenta gol cedido no fim diante da Chapecoense
Futebol

Kleina lamenta gol cedido no fim diante da Chapecoense

Náutico cede empate no fim e fica no 1x1 com a Chapecoense
Futebol

Náutico cede empate no fim e fica no 1x1 com a Chapecoense