Jorge Henrique, atacante do Náutico
Jorge Henrique, atacante do NáuticoFoto: Kleyvson Santos/Folha de Pernambuco

O Náutico disputou 23 jogos ao todo em 2019. Em muitos deles, o clube não precisou jogar no seu nível mais alto para conquistar as vitórias. Consequentemente não sentiu a necessidade de uma performance de grande destaque de seu maior nome na temporada, o atacante Jorge Henrique. Luxo que o clube provavelmente não terá no domingo. Para vencer o Sport por dois gol de diferença, na Ilha do Retiro, e conquistar o título do Campeonato Pernambucano, os alvirrubros precisarão de um desempenho acima da média. Coletivamente e, claro, do seu craque. Chegou a hora de Jorge Henrique decidir.

Tirando os dois gols marcados diante do Santa Cruz, Jorge Henrique passou em branco em outras 14 partidas que disputou. Atuações tímidas para quem chegou com a missão de comandar o grupo na temporada. O currículo do atleta de 36 anos, porém, prova que ele entende de decisão. E de acumular troféus. Citando estaduais, por exemplo, são oito. O mais emblemático para os alvirrubros foi o de 2004. Pelo Timbu, ele marcou um dos gols na vitória por 3x0 que deu o título estadual ao clube. Além desse, o atacante ganhou dois Paulistas, dois Gaúchos, um Catarinense, um Paranaense e um Cearense. Isso sem falar nas taças da Libertadores da América e Mundial de Clubes, ambas vestindo a camisa do Corinthians.

Para os supersticiosos, um dado interessante. Jorge estava no elenco do Náutico que derrotou o Sport por 3x1, na Ilha do Retiro, pelo Campeonato Pernambucano de 2004. Justamente o último triunfo do clube por dois gols de diferença na casa do rival. Gil Baiano, Batata e Kuki marcaram os gols alvirrubros na ocasião. Léo Mineiro descontou para o Leão. Se repetir o feito no domingo, o Timbu quebrará o jejum de 51 anos sem vencer o adversário em uma decisão estadual e de 54 sem levantar um caneco no Adelmar da Costa Carvalho.

A importância do camisa 23 é tão grande que, após um treino intenso na última quarta, o jogador acabou poupado da atividade de no CT Wilson Campos. Tudo para evitar um desgaste físico antes da partida mais importante do primeiro semestre. Sem Jorge, Goiano testou Luiz Henrique ao lado de Danilo Pires no meio. Outras novidades no coletivo foram as entradas de Sueliton na vaga de Camutanga e André Krobel no lugar de Hereda (o prata da casa foi poupado do treino por conta de desgaste físico).

Leia também:
Diego pede mais atitude do Náutico em decisão
Hereda aprova parceria com Thiago no lado direito do Náutico

veja também

comentários

comece o dia bem informado: