Camutanga, zagueiro do Náutico
Camutanga, zagueiro do NáuticoFoto: Léo Lemos/Náutico

No futebol, um lance pode marcar positivamente ou negativamente um jogador. No caso do zagueiro Camutanga, é quase impossível não se lembrar do dia em que ele recebeu um xingamento público do técnico Roberto Fernandes, que comandou o Náutico no ano passado. Durante um jogo contra o Atlético/AC, pela Série C, o treinador chamou o defensor de “burro”. Mas as críticas não se limitaram a esse momento. Desde então, ele tem sofrido com a cobrança por parte da torcida alvirrubra. Neste ano, o atleta errou em alguns jogos importantes. Mas nada como uma partida após a outra. Com a chegada do técnico Gilmar Dal Pozzo, Camutanga tem aos poucos recuperado a boa forma, superando a desconfiança quanto ao seu futebol.

“Infelizmente teve aquele fato com Roberto Fernandes. Vocês que acompanham sabem que ele é explosivo. Foi uma jogada que não precisava ele falar aquilo, só que acabou falando. Mas tenho uma relação boa com ele, sem mágoas. No começo do ano recebi algumas críticas em infelicidades minhas em momentos de gol”, disse o zagueiro.

Entre as lembranças mais amargas, Camutanga citou erros contra Fortaleza e Sport. “O momento mais pesado foi no início da temporada. Tive oportunidade até de fazer gols naquele jogo (contra os cearenses), mas não fiz. (O erro) no clássico também trouxe um peso grande. Mesmo assim, eu continue buscando meu espaço”.

A defesa já apresentou sinais de melhora pós-Dal Pozzo. Após sofrer gols em sete jogos consecutivos, o Náutico não foi vazado nos dois confrontos passados, diante de Campinense (pré-Copa do Nordeste 2020) e Treze (Série C). “Precisamos continuar com a mesma concentração. É importante ter essa pegada de ficar sem sofrer gols porque o nosso ataque vai fazer lá na frente para sairmos com a vitória”, afirmou.

Leia também:
Dal Pozzo busca saldo positivo entre defesa e ataque no Náutico
Érika diz estar em casa no Recife e mostra fome de bola

veja também

comentários

comece o dia bem informado: