NBA Basketball School alimenta sonhos em Pernambuco

Chancelado pela principal liga de basquete, projeto aporta no Estado com a intenção de potencializar ensino

NBA Basketball SchoolNBA Basketball School - Foto: Divulgação

Principal liga de basquete do mundo, na qual jogam os atletas mais badalados e onde estão concentrados bilhões de dólares em investimentos, a NBA é o sonho de 10 entre 10 jovens que desejam construir uma carreira profissional na modalidade. Ingressar nesse universo, contudo, não é tarefa simples. Há uma quantidade infinita de jogadores nutrindo o mesmo ideal ao redor do mundo. A concorrência é enorme e para conseguir ser visto é preciso não só ser diferenciado, mas estar em uma vitrine acessível aos olheiros.

Leia também:
Número de brasileiros cai, mas NBA só cresce no Brasil

Sede de um dos escritórios mais rentáveis da NBA fora dos Estados Unidos, o Brasil entra de vez na rota da liga com a chegada em solo nacional de um dos produtos mais fortes a levar sua chancela. O Brasil é o quarto país do mundo a receber a NBA Basketball School, um programa de treinamento realizado dentro das diretrizes impostas por um manual de quase mil páginas produzido pela liga - Grécia, Índia e Turquia já fazem esse trabalho.

O lançamento foi em setembro do ano passado e as 20 chancelas disponíveis para o Brasil em 2019 foram prontamente preenchidas. No total, serão 26 núcleos em atividade no País neste ano - um chancelado por abrir mais de um núcleo. Pernambuco será o único estado do Nordeste com dois polos na temporada, um em Olinda e outro no Recife, inaugurados oficialmente na quinta e sexta-feira, respectivamente. São Paulo é o estado com o maior número de núcleos, um total de 12. Depois vêm Minas Gerais, com quatro, Pernambuco, com dois, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Norte, Paraíba, Sergipe e Bahia, com um cada.

   Olinda

Cada cidade pode ter apenas uma licença para executar a NBA Basketball School. Em Olinda, o direito foi adquirido pela Assessoria Acadêmica e Esportiva BRA, que atua em parceria com o Colégio Santa Emília, dono de um histórico forte na modalidade em âmbito escolar. O novo programa de treinos, no entanto, não ficará restrito aos alunos da casa. Esses terão mensalidade mais acessível, a R$ 50, mas atletas de outras instituições poderão se matricular no núcleo, com mensalidades a R$ 150. Todos, porém, deverão pagar taxa de adesão de R$ 100. As aulas serão às terças e quintas, com turmas divididas por faixa etária - até 12 anos, de 12 a 14 e de 15 a 17, tanto no masculino, quanto no feminino.

“É um sonho para os atletas terem isso. A marca NBA é muito forte. A intenção é potencializar o ensino, com oportunidade também para treinadores, que terão cursos”, disse a professora Mônica dos Anjos. As matrículas no núcleo de Olinda podem ser feitas através do site da Assessoria Acadêmica e Esportiva BRA. A data oficial de início das aulas é o próximo dia 28, mas a professora reconhece que o trabalho deve engrenar mesmo após o carnaval.

   Recife

A licença do núcleo recifense pertence à Brasil World, que firmou parceria para execução com a RD Sports, do técnico Roberto Dornelas. Os treinos acontecerão também às terças e quintas, no período da tarde, e o grupo inicialmente terá um limite de 35 atletas entre 13 e 17 anos - um dos alunos será um bolsista selecionado através de peneira entre estudantes da rede pública de ensino. As matrículas podem ser feitas através da BW, ao preço de R$ 150, e as mensalidades custarão R$ 200 - mais taxa de R$ 100 para o uniforme.

“Deixo claro que é um programa de aperfeiçoamento e, por isso, pegamos atletas já inicializados. Não somos um novo time e o nosso intuito não é competir com clubes, escolas ou associações, mas contribuir, potencializando a preparação do atleta. Nossos treinos, inclusive, serão abertos aos professores que desejarem acompanhar”, explicou o técnico Dornelas, que estará à frente dos assuntos técnicos do núcleo recifense, cujo as aulas terão início no dia 12 de março. 

 

Veja também

“Não dá tempo para lamentar, não pode abaixar a cabeça”, diz Jair Ventura após derrota do Sport
Sport

“Não dá tempo para lamentar, não pode abaixar a cabeça”, diz Jair Ventura após derrota do Sport

Após nova intervenção decisiva do VAR, Sport perde no Rio para o Fluminense por 1 a 0
Sport

Após nova intervenção decisiva do VAR, Sport perde no Rio para o Fluminense por 1 a 0