Neymar garante que continuará driblando apesar das críticas

"Não vou mudar. Quando entro em campo, eu jogo meu jogo e meu jogo é assim, driblando, marcando gols e criando chances para meus companheiros"

Superação: O Milagre da FéSuperação: O Milagre da Fé - Foto: Fox Film do Brasil/Divulgação

O atacante brasileiro Neymar, constantemente criticado pelos dribles provocadores, garantiu na quinta-feira que não pretende mudar seu jeito de jogar, uma semana depois de sair de campo com o rosto sangrando após cotovelada de um adversário.

"Não vou mudar. Quando entro em campo, eu jogo meu jogo e meu jogo é assim, driblando, marcando gols e criando chances para meus companheiros", declarou o atacante do Barcelona durante evento para promover um patrocinador. "Eu sou feliz jogando assim", completou.

Autor de um gol e duas assistências na última quinta-feira, no duelo do Brasil contra a Bolívia (5-0) pelas eliminatórias para a Copa do Mundo-2018, Neymar recebeu uma cotovelada no rosto do atacante boliviano Yasmani Duk e foi obrigado a sair de campo sangrando.

Na Espanha, a maneira de jogar do habilidoso brasileiro é constantemente criticada pelos adversários, que afirmam que Neymar abusa das provocações desnecessárias com firulas. "Ele joga assim, queiram ou não", afirmou há um mês o técnico Luis Enrique, defendendo seu craque.

Questionado sobre quem deveria ganhar o prêmio de melhor jogador do mundo ao fim do ano, para o qual o favorito é o português Cristiano Ronaldo, Neymar defendeu seu companheiro de Barcelona, o argentino Lionel Messi. "Para mim, 'Leo' ainda é o melhor, é ele que joga melhor", afirmou o brasileiro, de 24 anos, garantindo que não tem pressa para ganhar a Bola de Ouro. Ao lado de Messi e Luis Suárez, Neymar reeditará o trio 'MSN' neste sábado contra o La Coruña, pelo Campeonato Espanhol.

Veja também

Federação divulga tabela da retomada do Campeonato Paulista
Futebol

Federação divulga tabela da retomada do Campeonato Paulista

Estigma racista do goleiro negro persiste desde derrota na Copa de 1950
Futebol

Estigma racista do goleiro negro persiste desde derrota na Copa de 1950