Nuzman, Cabral e Gryner são denunciados por propina

Eles são acusados de organização criminosa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas

Carlos Arthur Nuzman, foi presidente do COB por 22 anosCarlos Arthur Nuzman, foi presidente do COB por 22 anos - Foto: Reprodução

O Ministério Público Federal no Rio denunciou o ex-presidente do COB (Comitê Olímpico Brasileiro) Carlos Arthur Nuzman, o ex-diretor da Rio-16 Leonardo Gryner e o ex-governador Sérgio Cabral (PMDB) pelo caso da suposta propina paga pela eleição do Rio como sede da Olimpíada de 2016.

Leia também
Pivô de escândalo no caso Nuzman diz ser vítima de racismo
Após queda de Nuzman, Raí convoca atletas por mudanças no esporte

Eles são acusados de organização criminosa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Também são alvo da ação penal o empresário Arthur César de Menezes Soares e os senegaleses Lamine Diack, membro do COI (Comitê Olímpico Internacional) supostamente subornado, e seu filho Papa Massata Diack.

De acordo com a denúncia, Cabral, Nuzman e Gryner solicitaram a Arthur Soares o pagamento de US$ 2 milhões para Diack, por meio de uma empresa de seu filho. A transferência ocorreu dias antes da escolha do Rio como sede dos Jogos.

"A denúncia equipara Nuzman e Gryner a funcionários públicos, uma vez que tanto o COB quanto o Comitê Organizador dos Jogos receberam e eram gestores de verbas públicas e exerciam, por delegação, uma atividade típica de Estado: o desporto", afirma nota da Procuradoria.

A medida é um forma de rebater a tentativa da defesa de interromper as investigações usando o argumento de que corrupção privada não é crime no Brasil.

"A despeito de tratar-se de uma 'pessoa jurídica de direito privado', o Comitê Olímpico Brasileiro, por meio de seus dirigentes, representa a República Federativa do Brasil em eventos esportivos internacionais, recebe verba pública (que representa a maior parte de seu orçamento) e, ainda, exerce uma atividade típica da Administração Pública Federal ao fomentar e organizar as atividades desportivas olímpicas no Brasil", afirmam os procuradores na denúncia.

"Onde existe verba pública, existe dever de probidade e existe a responsabilidade daqueles que a gerem, podendo, portanto, ser responsabilizados quando atuarem em contrariedade ao que determina a lei", escreveram.

Nuzman e Gryner também teriam infringido dever funcional ao conceder desconto, mesmo diante de descumprimento de contrato, por parte do hotel LSH Barra Empreendimentos Imobiliários SA (LSH Barra Hotel).

O ex-presidente do COB ainda é acusado de dissimular a propriedade e a origem de 16 quilos de ouro, no valor de R$ 1,5 milhão, mantidos em cofre na Suíça.

Nuzman está preso preventivamente desde o início do mês, após a deflagração da segunda fase da Operação Unfair Play. Gryner foi solto após nove dias preso temporariamente. Cabral está detido desde novembro. Os senegaleses Diack estão em seu país de origem e Arthur Soares está foragido.

Além da condenação, a denúncia pede a reparação por danos materiais no valor de R$ 6,34 milhões e de danos morais no valor de R$ 1 bilhão.

Veja também

Brasileira Duda Amorim recebe prêmio de melhor da década
Handebol

Brasileira Duda Amorim recebe prêmio de melhor da década

Veja os melhores momentos da vitória do Lakers sobre o Milwaukee Bucks
NBA

Veja os melhores momentos da vitória do Lakers sobre o Milwaukee Bucks