Nuzman tinha mais dinheiro em casa do que no banco

Banco Central informou à Justiça ter encontrado R$ 148,3 mil em cinco contas bancárias do presidente do COB

Presidente do COB, Carlos Arthur NuzmanPresidente do COB, Carlos Arthur Nuzman - Foto: Fabrice Coffrini/AFP

O bloqueio nas contas do presidente do COB (Comitê Olímpico Brasileiro), Carlos Arthur Nuzman, indica que o dirigente mantinha mais dinheiro em vivo em casa do que em suas contas bancárias.

O Banco Central informou à Justiça Federal nesta quarta-feira (6) ter encontrado R$ 148,3 mil em cinco contas bancárias de Nuzman.

O valor é um terço dos R$ 480 mil em dinheiro vivo, em cinco moedas distintas, encontrados pela Polícia Federal na residência do cartola na deflagração da Operação Fair Play, deflagrada na terça (5).

A operação investiga o suposto pagamento de US$ 2 milhões para o senegalês Lamine Diack, membro do COI (Comitê Olímpico Internacional) na eleição que escolheu o Rio como sede da Olimpíada de 2016.

Nuzman é investigado sob suspeita de ter feito a "ponte" entre o esquema de corrupção do governo Sérgio Cabral e os membros do COI. A propina ao senegalês foi debitada, segundo a Procuradoria, da devida pelo empresário Arthur César de Menezes Soares, o "Rei Arthur", ao peemedebista. O empresário obteve mais de R$ 3 bilhões em contratos com o Estado.

Leia também: 
Brasileiros envergonhados com falcatruas olímpicas
Delator de Nuzman quer intervenção do COI no órgão Brasileiro

O bloqueio de bens atendeu a um pedido do MPF (Ministério Público Federal) para garantir o pagamento de danos morais coletivos em caso de condenação dos réus. Para os procuradores, o caso de corrupção provocou danos à imagem do país no exterior. O valor solicitado foi de R$ 1 bilhão.

O volume de dinheiro vivo foi um dos itens considerados suspeitos por procuradores durante a investigação. Relatório do Coaf apontou que foram feitos saques de R$ 1,4 milhão entre 2014 e 2015 nas contas do COB.

O MPF não solicitou o bloqueio de bens da empresa do NZ Palestra, que pertence ao dirigente esportivo.

O Banco Central informou ter bloqueado R$ 33,1 milhões em contas bancárias dos investigados na Operação Unfair Play e de suas empresas.

Quase a totalidade dos recursos foi encontrada em nome de companhias ligadas a Soares. Contudo, nenhum valor foi encontrado nas contas do empresário, atualmente foragido, nem nas de sua sócia Eliane Cavalcante, presa na terça (5).

Mais da metade do valor (R$ 17,4 milhões) foi bloqueado nas contas da Laborvida Laboratórios Farmacêuticos, ligada a Soares.

Veja também

Jair Ventura ressalta 'melhor segundo tempo' do Sport em 'final de Copa do Mundo'
Sport

Jair Ventura ressalta 'melhor segundo tempo' do Sport em 'final de Copa do Mundo'

Hélio agradece jogadores e afirma não ter deixado de acreditar na permanência
Náutico

Hélio agradece jogadores e afirma não ter deixado de acreditar na permanência