O que se sabe e o que ainda precisa ser esclarecido sobre o incêndio no CT do Fla

Segundo a Prefeitura do Rio, a área onde os jogadores estavam instalados tinha licença para funcionar como um estacionamento

Incêndio vitimou vários jogadores da base do FlamengoIncêndio vitimou vários jogadores da base do Flamengo - Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

O incêndio que atingiu o alojamento do Flamengo e deixou dez mortos ainda tem pontos não esclarecidos sobre a causa do fogo e supostas irregularidades na manutenção e de licenciamento do local.

Segundo a Prefeitura do Rio, a área onde os jogadores estavam instalados tinha licença para funcionar como um estacionamento. O poder público municipal diz ainda que multou o clube mais de trinta vezes por falta de alvará para funcionamento do local, que tem campos de treinamento e instalações para jogadores do profissional e das categorias de base.

Qual foi a causa do incêndio?
Não há ainda uma investigação concluída sobre a causa do incêndio. A Polícia Civil apura o caso desde sexta-feira (8). Horas após o incêndio, o vice-governador do Rio, Cláudio Castro, esteve no Ninho do Urubu e afirmou que a principal suspeita é de que uma pane no aparelho de ar-condicionado do alojamento tenha causado o incêndio.

Moradores vizinhos do centro de treinamento, na zona oeste do Rio, apontaram que o dilúvio que caiu na cidade essa semana danificou a rede elétrica em vários pontos do bairro, o que poderia ter causado o incêndio. O CEO do Flamengo, Reinaldo Belotti, afirmou neste sábado que que a perícia indicou que um problema no ar condicionado teria ocasionado o fogo.

Quantas pessoas morreram?
Dez pessoas morreram e três ficaram feridas, todos jogadores das categorias de base do Flamengo. Eles têm entre 14 e 17 anos e moravam no alojamento do clube.

Vítimas já foram identificadas?
Até o momento, sete dos dez mortos foram identificados: Arthur Vinicius, 14, Pablo Henrique, 14, Victor Isaías, 15, Bernardo Pisetta, 14, Gedson Souza, 14, Athila Paixão, 14, e Christian Esmério, 15

O local estava irregular?
A Prefeitura do Rio informou que o Flamengo nunca pediu autorização para instalação de prédios na área hoje atingida pelo incêndio. O local tinha permissão apenas para funcionar apenas como estacionamento. Por determinação da Secretaria de Fazenda, a Prefeitura do Rio lacrou o CT do Flamengo em outubro de 2017. A decisão foi tomada após o clube ter sido multado mais de 30 vezes por falta de alvará de funcionamento, segundo a prefeitura.

O Corpo de Bombeiros aponta que o estabelecimento estava em processo de regularização para obter o documento que certifica o funcionamento dos dispositivos contra incêndio previstos por lei. O Flamengo não negou a falta de licenças. "Isso não tem nada a ver com o acidente", afirmou o CEO do clube, Reinaldo Belotti. "Temos providências a tomar para que o CT seja legalizado. Estamos trabalhando para isso. Precisávamos de 9 certificados, já temos 8. E estamos finalizando com os bombeiros para conseguir esse último alvará", completou.

Quem pode ser responsabilizado?
A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e o Flamengo podem ser responsabilizados pelo incêndio no Ninho do Urubu, centro de treinamento do clube na sexta-feira (8) que matou dez pessoas. A confederação é, segundo a Lei 9.615, chamada de Lei Pelé, obrigada a certificar clubes formadores de atletas.

A mesma legislação prevê responsabilidade ao Flamengo. Para advogados ouvidos pela Folha, o clube e seus diretores podem ser punidos criminalmente pelo incêndio. A Prefeitura do Rio também pode vir a ser responsabilizada pelo fato de não ter feito a fiscalização do local que oficialmente estava indicado como uma área de estacionamento e funcionava como alojamento de atletas.

Veja também

Chateado, Martelotte se desculpa com o torcedor e lamenta permanência na série C
Santa Cruz

Chateado, Martelotte se desculpa com o torcedor e lamenta permanência na série C

Gestão Constantino Júnior fecha ciclo sem conquistas
Futebol

Gestão Constantino Júnior fecha ciclo sem conquistas