A-A+

Operário desiste de contratar Bruno após repercussão negativa

Na noite de terça-feira (21), parte da torcida do Operário realizou um protesto contra a contratação do goleiro

Goleiro Bruno não vai mais jogar pelo Operário-MTGoleiro Bruno não vai mais jogar pelo Operário-MT - Foto: TJMG Divulgação

Leia também

• Justiça autoriza Bruno a jogar e cumprir pena no Mato Grosso

O goleiro Bruno não irá mais vestir a camisa do Operário Várzea-Grandense. Depois de fazer uma proposta oficial ao jogador, o clube mato-grossense desistiu da contratação por conta de protestos da torcida e da perda de alguns patrocínios para a temporada.

"Pelo presente, viemos informar que a diretoria do Clube Esportivo Operário Várzea Grandense não contratará o atleta Bruno Fernandes das Dores de Souza", diz o comunicado divulgado no fim da tarde desta quarta-feira (22) pelo clube. Pouco antes, o UOL Esporte havia adiantado que o Operário tinha recuado e estudaria se desistiria ou daria prosseguimento à contratação. André Xela, supervisor de futebol do Operário-MT, explicou os motivos à reportagem.

"Devido a toda essa repercussão e à perda de alguns patrocínios, tivemos que colocar o pé no chão, fazer uma reunião e rever essa contratação. Hoje não temos nada oficial com o goleiro, o clube fez uma proposta, tinha o interesse no atleta Bruno, acredita que ele viria para somar para gente alcançar os objetivos do clube, já que são quatro campeonatos que a gente disputa esse ano: Copa do Brasil, Campeonato Mato-grossense, Série D e Copa Verde", disse.

Na noite de terça (21), parte da torcida do Operário realizou um protesto contra a contratação do goleiro na entrada do Estádio Municipal Dito Souza, em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá.

Leia também:
Justiça autoriza Bruno a jogar e cumprir pena no Mato Grosso


O ato aconteceu antes da partida do Operário contra o Poconé, válida pelo Campeonato Mato-Grossense de 2020. Com cartazes e ao som de tambores, os manifestantes gritavam: "Quem contrata feminicida apoia o feminicídio". Já os cartazes apresentavam: "Respeitem as mulheres" e "Não compre ingresso. Não pague para ver feminicida".

Ex-Flamengo e Atlético-MG, Bruno foi condenado na Justiça mineira a mais de 20 anos de prisão pelo sequestro, assassinato e ocultação de cadáver da ex-namorada e modelo Eliza Samúdio. O crime aconteceu em 2010.

Veja também

Após empate, Hélio reforça que ainda acredita em acesso
Futebol

Após empate, Hélio reforça que ainda acredita em acesso

Após início com falhas, Náutico reage, mas fica no empate diante do Vasco
Futebol

Após início com falhas, Náutico reage, mas fica no empate diante do Vasco