Owen Wright bate o amigo Medina e vence em Teahupoo

Owen Wright devolveu o revés sofrido contra Gabriel na final dessa mesma etapa no ano passado

Owen Wright aproveitou uma bobeira de Gabriel Medina, que deixou passar a melhor onda da bateriaOwen Wright aproveitou uma bobeira de Gabriel Medina, que deixou passar a melhor onda da bateria - Foto: Brian Bielmann / AFP

Uma final de altíssimo nível, entre amigos pessoais, marcou o encerramento do Tahiti Pro Teahupoo, sétima etapa do Championship Tour (CT) de surfe masculino 2019, na noite desta quarta-feira (28). O brasileiro Gabriel Medina, bicampeão mundial, e o australiano Owen Wright, que ainda não conquistou a taça na carreira, foram os únicos atletas do evento a arrancarem a nota 10 dos juízes. E foram justamente eles, que se mostraram à vontade durante toda a etapa, os protagonistas da imprevisível e disputadíssima final. Melhor para Owen Wright, que devolveu o revés sofrido contra Gabriel na final dessa mesma etapa no ano passado. O australiano venceu por 17.07 x 14.93.

O brasileiro liderou a maior parte da bateria, que foi marcada em sua maioria por ondas medianas. As ondas de maior potência ficaram reservadas para os minutos finais, justamente quando o australiano mostrou mais estratégia.

Leia também:
Com 10 unânime, Medina faz maior soma em Teahupoo
Medina vira contra Italo Ferreira e vence etapa de J-Bay
Medalhista de bronze no surfe competiu grávida em Lima
Paixão pelo Surfe leva vítima de incidente com tubarão a se blindar de trauma


Gabriel anotou um 7.83 em tubo de pequeno porte, mas com um bom posicionamento dentro dele, e acrescentou ainda um 7.10. Precisando de um 7.21 a menos de cinco minutos do fim, Owen aproveitou uma bobeira de Gabriel, que deixou passar a melhor onda da bateria mesmo tento a prioridade, e arrancou a virada com um 9.17. Com isso, Gabriel passou a necessitar de um 9.08. Mas, logo na sequência, o australiano emendou outro belo tubo, de novo na prioridade do brasileiro, e aumentou a necessidade de nota do atual campeão mundial para 9.24. Porém, o mar acalmou e Gabriel não teve chances de fazer mais nota.

“O campeonato foi bom, me sinto em um bom momento, após Jeffrey’s (etapa anterior na qual foi campeão) e agora. Sinto que estou na briga. Agora é preparar para o Surf Ranch (próxima etapa, na piscina de ondas artificiais de Kelly Slater, Califórnia)”, disse o brasileiro.

Owen, por sua vez, não escondeu a felicidade com o título, que, segundo ele, era um sonho antigo. Disse ainda que, após a derrota no ano passado, falou a Gabriel que aquilo tinha de acontecer de novo, e o universo ouviu.

Com esse resultado, a lycra amarela de líder passa a ser do paulista Filipe Toledo, que, embora eliminado nas oitavas, foi ajudado pela má campanha do ex-líder Kolohe Andino (EUA). O norte-americano foi ultrapassado também por Jordy Smith (AFS). Gabriel, que de 2014 para cá tem dois títulos, três vices e dois terceiros lugares em Teahupoo, sai do sétimo para o quarto lugar, enquanto Owen dará um respiro ao sair da 12ª colocação.

Veja também

Nos Aflitos, Náutico recebe nesta sexta-feira a Chapecoense de olho no G4
Futebol

Nos Aflitos, Náutico recebe nesta sexta-feira a Chapecoense de olho no G4

Com aglomeração no aeroporto, Thiago Neves chega ao Recife
SPORT

Com aglomeração no aeroporto, Thiago Neves chega ao Recife