'Pontos bobos' explicam por que Santos precisa de milagre para o titulo

Foram só sete pontos conquistados em 21 disputados contra Internacional, Figueirense, Santa Cruz e América-MG

Dorival Júnior já treinou o Santos, rival do São PauloDorival Júnior já treinou o Santos, rival do São Paulo - Foto: Divulgação

Santos e Palmeiras terminaram a 36ª rodada do Campeonato Brasileiro com sentimentos distintos. Enquanto os santistas lamentam o empate diante do Cruzeiro, com reclamações de interferência da arbitragem, os rivais praticamente asseguraram o título com a vitória simples contra o Botafogo.

A distância de seis pontos a dois jogos para o término da competição faz a equipe do técnico Dorival Júnior precisar de um 'milagre' para sair com o título. Mas o campeonato foi perdido bem antes. O problema dos santistas foram os "pontos bobos" desperdiçados para o grupo dos rebaixados para a Série B.

"Nos tirou a possibilidade de estar ainda melhor no campeonato e colocar mais pressão no líder do campeonato, que naturalmente fazendo seu resultado nós acabamos ficando mais distantes das nossas pretensões", disse Dorival.
Foram só sete pontos conquistados em 21 disputados contra Internacional, Figueirense, Santa Cruz e América-MG. Destes, só os gaúchos ainda têm chances de escapar.

Os 33,3% de aproveitamento contra a zona da 'degola' contrastam com a perfeição nos resultados do Palmeiras diante das mesmas equipes: 24 pontos e 100% de aproveitamento.

Diante do Inter, por exemplo, os santistas não somaram pontos. Foram surpreendidos na Vila Belmiro, perdendo uma invencibilidade de 11 meses no estádio, e perderam no returno em jogo marcado pela polêmica arbitragem de Rodrigo Batista Raposo. Isso sem contar a derrota e eliminação para o time gaúcho na Copa do Brasil.

Outro tropeço que custou caro aos santistas foi diante do América-MG, já lanterna da competição. O Santos liderava e tinha a chance de iniciar o returno no topo, mas cedeu e jamais voltou a primeira colocação.

Contra o Figueirense, a lamentação foi dupla. Primeiro pelo gol sofrido já no fim, em Santa Catarina, e depois pelo tropeço na Vila Belmiro. O segundo jogo gerou lamentações por envolver a despedida do atacante Gabriel Barbosa, negociado com a Inter de Milão, da Itália.

O desempenho diante dos últimos colocados contrasta com os bons resultados em clássicos. A equipe só tropeçou na derrota por 1 a 0 para o Corinthians, ainda com Tite como técnico. Depois, venceu o São Paulo duas vezes e o próprio Corinthians. Diante do Palmeiras, um empate e uma vitória.

Vale ressaltar que o Santos ainda enfrentou adversidades nesta caminhada. Jogou desfalcado durante o período da Copa América e da Olimpíada ao ceder atletas para a seleção brasileira. Também viu o centroavante Ricardo Oliveira e até mesmo o meia Vitor Bueno, principais artilheiros da equipe no Brasileirão, sofrerem com lesões.

Para ser campeão, o Santos precisa vencer o Flamengo, no Rio de Janeiro, e o América-MG, na Vila Belmiro, e torcer para o Palmeiras ser derrotado em seus últimos dois confrontos. O rival recebe a Chapecoense, no Allianz Parque, e encerra diante do Vitória, em Salvador.

Aproveitamento do Santos contra os times da zona do rebaixamento:
7 pontos de 21 disputados
7 jogos (2 vitórias, 1 empate e 4 derrotas, 33,3% de aproveitamento)
Internacional
29/5 - Santos 0 x 1 Internacional - Vila Belmiro

Veja também

Mesmo cancelado, Wimbledon distribui R$ 68 milhões a 620 tenistas
Tênis

Mesmo cancelado, Wimbledon distribui R$ 68 milhões a 620 tenistas

Renovação de Felipe Simplício com o Santa está em aberto; executivo de futebol evita comentar
Santa Cruz

Renovação de Felipe Simplício com o Santa está em aberto; executivo de futebol evita comentar