Futebol

Por dívida com ex-jogador, Náutico pode ter marca penhorada

Ação na Justiça é referente a uma dívida de mais de R$ 600 mil com o ex-volante Jhonny, que atuou no clube em 2009

AflitosAflitos - Foto: Léo Lemos/Arquivo Náutico

O Náutico já conviveu, em momentos anteriores, com o risco da penhora de bens como a sede, o estádio, a garagem de Remo, troféus, entre outros. Tudo por conta de dívidas antigas com ex-atletas, treinadores e funcionários. Agora, o Timbu viu a marca do clube ser colocada em xeque devido um débito passado com o ex-jogador Jhonny, que atuou na equipe em 2009.

Por conta de uma dívida de R$ 674.298,97 com o ex-volante, a juíza Roberta Vance Harrop, da 14ª Vara do Trabalho do Recife, deferiu o pedido de penhora da marca do clube. Caso ocorra o leilão e a marca seja arrematada no evento, o Náutico não poderia utilizar tudo que identifique a instituição (nome, símbolo, etc), além do risco de não poder licenciar produtos. 

A Folha de Pernambuco procurou o vice-presidente jurídico do clube, Luiz Gayão, que se disse surpreso com a sugestão de "penhora da marca". "É a primeira vez que isso acontece no Náutico. Identificamos uma anulidade processual. Estamos consultando um especialista para ver essa possibilidade. Vamos nos aprofundar nessa questão para saber qual caminho tomar. O advogado disse que era uma penhora mista, mas, sinceramente, ele vai penhorar o nome? O escudo? Não sei o proveito disso", afirmou. 

 

Veja também

Uso de vale-cultura para atividades esportivas vai à sanção presidencial
Esportes

Uso de vale-cultura para atividades esportivas vai à sanção presidencial

Exército vai garantir segurança da cerimônia de abertura dos Jogos de Paris no Sena
OLIMPÍADAS 2024

Exército vai garantir segurança da cerimônia de abertura dos Jogos de Paris no Sena

Newsletter