Esportes

Primeira surfista transgênero vence torneio de longboard na Austrália: "Me sinto abraçada"

Sasha Jane Lowerson conquistou vitória histórica neste último final de semana, tendo sido coroada campeã masculina três anos antes

Sasha Jane Lowerson, 43 anos, é a primeira mulher transgênero a competir no surfeSasha Jane Lowerson, 43 anos, é a primeira mulher transgênero a competir no surfe - Foto: Reprodução redes sociais

A longboarder australiana Sasha Jane Lowerson, a primeira mulher transgênero a competir no surfe, conquistou uma vitória histórica no West Coast Suspensions Longboard and Logger State Championships no último final de semana. A atleta de 43 anos, que foi coroada campeã masculina três anos antes, venceu as divisões Open Feminino e Open Logger, em Avalon, tendo sido dominante nas ondas pegas à esquerda. Georgia Young ficou em segundo lugar no evento Open Feminino, enquanto Emily Gibbs conquistou a prata na divisão Open Logger.

Lowerson, já era uma defensora declarada de atletas transgêneros, correu a turnê de longboard da World Surf League e também é shaper de pranchas de surfe. Ganhou o título estadual da Austrália Ocidental de 2019, competindo como Ryan Egan, antes de fazer a transição de gênero alguns anos depois.

Sasha é um nome bem conhecido na comunidade australiana do surfe. Ela cresceu nas praias do país e considera ter encontrado seu "consolo no surfe, mesmo quando a vida era difícil". Dez anos atrás, se mudou para a Austrália Ocidental, encontrando sua praia perfeita em Mandurah, onde passaria a maior parte do seu tempo nas ondas.

Competir na praia "do seu quintal", a fez se sentir "libertada". O momento a fez chorar de felicidade e a permitiu relembrar sobre sua jornada até este ponto: "Ser a primeira mulher transgênero competindo no surfe não foi fácil emocionalmente, mas a quantidade de apoio que me foi dada foi fenomenal. Estou muito grata por estar envolvida, bem-vinda e abraçada pela comunidade de longboard em Austrália", disse Lowerson para o The Australian .

No início deste ano, Lowerson abordou a Surfing Australia sobre o retorno à competição em eventos femininos e o esporte a recebeu de braços abertos.

"Eu surfo desde pequena, desde os 10 anos", disse Lowerson em um podcast do YouTube. "Eu era uma boa surfista júnior, surfava contra homens adultos aos 14 anos e ganhava. Eu sabia desde muito jovem que não era um menino normal. Você realmente não entende até começar a conhecer outros garotos e pensar 'meus interesses são diferentes deles, por que isso?'

Sasha falou que neste processo pensou em suicídio mas que conseguiu "despertar":

"A cada dois anos eu queria me matar e tive uma boa chance. Mas também tive um verdadeiro despertar (tentativa de suicídio em 2020), então pensei: 'O que você está fazendo? Você está vivendo uma mentira'. Na melhor parte da minha vida, pensei que ela (Sasha) nunca poderia viver, tive que colocá-la em uma caixa. Isso é algo que muitas garotas experimentam. Tomei a decisão de ser sincera comigo e com o mundo e foi quando decidi revelar Sasha como tal".

Quando Sasha tinha 19 anos, ela decidiu que iria começar uma nova vida, deixando sua carreira de surfista para trás. Ficou cerca de 10 anos sofrendo com ansiedade, pensamentos de automutilação e depressão. Falou que conversas com pessoas trans, à época, só aumentavam seu estresse. Contou que tentou fazer a transição de gênero, aos 29 anos, mas não conseguiu "nada com o sistema médico do jeito que era na época".

"Quando isso falhou, foi quando meus problemas de saúde mental realmente começaram a se formar. Eu apenas pensei: 'Vale a pena continuar?' No esporte, não havia ninguém que tivesse feito isso, não havia ninguém que continuasse a praticar seu esporte após a transição", relembra ela, que finalmente conseguiu fazer a transição no ano passado.

Afirmou que o processo não foi tão fácil. E que após ser abraçada pela comunidade australiana do surfe, "estamos prestes a iniciar conversas formais com a World Surf League sobre a inclusão de diversos gêneros” na estrutura da modalidade: "Comecei a transição médica no início de 2021. Até então me escondia das pessoas, parei de surfar por seis meses. Eu basicamente me tirei seis meses da água. Então eu acordei uma manhã e disse: 'Não, tem sido a minha vida, não posso simplesmente me afastar da minha paixão e da minha vida'".

Mas o tema é ainda delicado no esporte. Atletas transgêneros tem sido liberadas para competir no feminino com regras rígidas de controle hormonal. Mas cada modalidade tem sido responsável por aplicar esse filtro, uma vez que suas especificidades são diferentes.

Keala Kennelly, havaiana que competiu por anos na WSL e é surfista de ondas grandes, comentou que o tema é "extremamente complicado". Em posto nas redes sociais escreveu que "em primeiro lugar, acho que todos podemos concordar que as pessoas precisam ser tratadas com respeito".

Se comentário diz que ainda que "acredita que se você se identifica como um ser humano, você merece os mesmos direitos humanos que todos os outros. Sou pró trans também sou pró mulher e igualdade feminina. Quando se trata especificamente de esportes femininos, é difícil ser as três coisas ao mesmo tempo. Acho que as atletas trans absolutamente precisam ser incluídas no esporte mas suas vantagens biológicas precisam ser levadas em consideração porque também tem que ser justo para as atletas mulheres. Não tenho a solução. No entanto, ter conversas respeitosas, não agressivas e colaborativas é um começo".

Veja também

Palmeiras passeia no Allianz Parque e chega às quartas da Libertadores
Futebol

Palmeiras passeia no Allianz Parque e chega às quartas da Libertadores

Ceará volta a derrotar The Strongest e segue na Sul-Americana
Futebol

Ceará volta a derrotar The Strongest e segue na Sul-Americana