A-A+

Olimpíada

Programação de Tóquio tem um #sextou de respeito para os amantes do vôlei

Além da seleção masculina, duas duplas brasileiras estreiam na praia

Brasil em ação pela Liga das Nações de VôleiBrasil em ação pela Liga das Nações de Vôlei - Foto: Divulgação/FIVB

Leia também

• Brasileiras vencem última etapa do vôlei de praia antes de Tóquio

• Vôlei de praia do Brasil estreia em Tóquio contra a Argentina, dia 23; veja programação de jogos

• Douglas Souza, do vôlei, faz sucesso mostrando bastidores da Olimpíada

• Paixão a 17 mil km: pernambucanos se adaptam para acompanhar os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020

• Novos esportes em Tóquio: 16 brasileiros competem no surfe e no skate

• Sorteio define duelos no judô: veja quem os brasileiros enfrentam em Tóquio-2020

• Com grandes nomes, Brasil tem algumas dúvidas na ginástica artística em Tóquio

• Wallace tenta levar seleção brasileira ao bi no vôlei

Os amantes do vôlei podem preparar a cafeína porque o #sextou promete. O primeiro dia de competições da modalidade nos Jogos de Tóquio tem uma agenda animada para o torcedor brasileiro. Nesta sexta (23), tem estria do Brasil nas areias e na quadra. 

Alison e Álvaro Filho serão os primeiros, às 22h. Às 23h será a vez de Ágatha e Duda. E logo depois, às 23h05, a equipe dirigida pelo técnico Renan dará largada em busca do bi consecutivo no torneio masculino. 

A dupla Alison/Álvaro Filho estreia contra Azaad/Capogrosso, da Argentina, com transmissão ao vivo da TV Globo e do SporTV 3. 

Alison, campeão olímpico no Rio, busca o bi ao lado de Álvaro FilhoÁlvaro e Alison. Foto: Júlio César Guimarães/COB

“Estamos nos preparando para esse jogo como se fosse uma ‘primeira decisão’. Esse é o espírito do nosso time. O nível do torneio é muito alto, estamos muito concentrados, focados, temos uma chave duríssima, e não há time fácil ou tradição que vença jogos. Respeitamos todos os adversários e vamos fortes em busca das vitórias, pensando sempre em um passo de cada vez”, afirmou Alison, campeão olímpico no Rio, em 2016, ao site oficial da Confederação Brasileira de Vôlei.

Estreante em Olimpíadas, Álvaro Filho destaca o respeito pelos adversários. “Temos estudado bastante o jogo deles, assistindo muitos vídeos. É um time alto, que saca e bloqueia bem também, uma dupla que tem bastante recurso, habilidosa e que merece todo o nosso respeito, porque ninguém chega aos Jogos por acaso, se não for por méritos. Estamos muito focados, fizemos a melhor preparação possível para as Olimpíadas e vamos dar o nosso melhor em quadra”, disse.

Ágatha e Duda terão também um time argentino como adversário na primeira partida da caminhada em Tóquio. As brasileiras irão enfrentar Gallay e Pereyra em duelo que será transmitido pela pela TV Globo e pelo SporTV 2. 

Ágatha e DudaDuda e Ágata. Foto: Miriam Jeske/COB

"É um momento muito especial para mim. Ainda mais depois de tudo que aconteceu em razão da pandemia, o adiamento dos jogos, tantas mortes. Conseguir chegar aqui e realizar o meu sonho é incrível. Quando eu entrei para o primeiro treino na quadra central aqui em Tóquio meus olhos marejaram, foi um momento de muita emoção, realização do sonho de uma vida. Sem palavras para descrever o que estou sentindo. Estar aqui ao lado de Ágatha, e saber que os jogos vão acontecer é muito bom”, declarou Duda, outra estreante em Jogos.

A seleção brasileira masculina entra em quadra logo depois da dupla feminina do vôlei de praia. O grupo dirigido pelo técnico Renan enfrentará a Tunísia, às 23h05, também com transmissão da TV Globo e do SporTV. 

“Jogo de estreia é sempre muito especial e teremos um desafio duro contra a Tunísia. Sabemos que é uma seleção pouco conhecida do público brasileiro, mas nós jogamos contra eles há dois anos e sabemos que é um time difícil”, disse Renan.

Já classificado, Brasil perde para Rússia na Liga das Nações de vôleiFoto: Divulgação/FIVB

O Brasil chega para buscar mais uma medalha olímpica após a conquista do primeiro título na Liga das Nações, no início do mês, na Itália. 

“Esse foi um título bastante importante. Acima de tudo, é algo que dá uma motivação a mais para todos nós. Sempre ficou muito claro que essa competição fazia parte de um processo de crescimento para a Olimpíada e a seleção cresceu dentro da própria competição. Isso é muito bom porque nos mostra a capacidade que esses garotos têm de reagir, principalmente nos momentos importantes”, concluiu Renan.

Veja também

Roberto deve ficar até pré-Copa do Nordeste, mas não garante permanência em 2022
Futebol

Roberto deve ficar até pré-Copa do Nordeste, mas não garante permanência em 2022

O futebol pernambucano de hoje é de fazer chorar
Futebol

O futebol pernambucano de hoje é de fazer chorar