Punição ao Brasil gera expectativa em confederações

Exames feitos contra a dopagem no Brasil perderam a validade internacional

Policiais militaresPoliciais militares - Foto: Arthur Mota

 

Após a Wada (Agência Mundial Antidoping) declarar, no último domingo, que a ABCD (Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem) está fora de conformidade com seus padrões internacionais, presidentes de confederações esportivas afirmaram esperar a extensão das sanções que serão dadas ao País. Sem a agência nacional, os exames antidoping no território brasileiro podem terminar sob tutela de entidades esportivas ou federações internacionais que tenham atletas em seus grupos-alvo.
As confederações, porém, adotam cautela sobre qualquer movimentação a respeito. “Não tivemos uma posição oficial sobre o que vai acontecer”, disse José Antonio Martins Fernandes, chefe da CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo). A CBAt mantém uma pequena estrutura antidoping interna e tem uma cláusula com seu principal patrocinador, a Caixa Econômica Federal, para manter programas de educação e prevenção. Porém, desde que a ABCD se tornou autoridade única de controle antidoping no Brasil, a CBAt não faz mais coletas ou processa exames.

João Tomasini, presidente da Confederação Brasileira de Canoagem, disse acreditar que o descredenciamento não prejudicará tanto o dia a dia de sua modalidade. “O governo não vai pagar esse mico de ficar fora [descredenciado]”, comentou. A descrição completa das sanções que serão impostas pela Wada será divulgada em breve, mas espera-se que o Laboratório Brasileiro de Controle de Dopagem, que fica no Rio e custou ao governo federal R$ 188 milhões, perca sua certificação. A ABCD ficará sem chancela para testes e gerir resultados.

O processo de obtenção de novo aval deve demorar. O Brasil precisará cumprir uma série de procedimentos e análises de técnicos da Wada ao longo dos próximos meses. Ontem, o Ministério do Esporte, a quem a autoridade se reporta, disse lamentar “profundamente” e discordar “integralmente da decisão” da agência. A criação do Tribunal de Justiça Desportiva Antidopagem foi um dos principais pontos que levaram à decisão pelo descredenciamento.
“Temos adotado todos os procedimentos sugeridos pela Wada, a quem mantemos informada dos passos que havemos dado”, prosseguiu a nota da pasta. A definição dos nomes que vão compor o tribunal será feita ainda no final deste mês e ele deve entrar em funcionamento em fevereiro.

 

Veja também

Com brasileiros, finais da Free Fire Continental Series acontecem neste fim de semana
Free Fire

Com brasileiros, finais da Free Fire Continental Series acontecem neste fim de semana

Em evolução, Náutico visita Juventude buscando respirar na tabela
Série B

Em evolução, Náutico visita Juventude buscando respirar na tabela