Futebol

Quem somos nós para atirar pedra no Robinho?, diz presidente do Santos

Rollo disse que os santistas adoraram a contratação, e que a reação negativa era apenas de outras torcidas

Presidente do Santos, Orlando RolloPresidente do Santos, Orlando Rollo - Foto: Santos/Divulgação

O presidente do Santos, Orlando Rollo, se pronunciou neste domingo (11) pela primeira vez sobre a contratação de Robinho, em entrevista à Folha de S.Paulo quando chegava à Vila Belmiro para o jogo diante do Grêmio, pelo Campeonato Brasileiro.

Antes mesmo do anúncio do reforço e principalmente depois dele, na noite de sábado (10), parte da torcida tem cobrado uma posição do clube a respeito da condenação sofrida pelo atleta na Itália, em 2017, a nove anos de prisão por violência sexual. O jogador recorre em liberdade da decisão em primeira instância.

Rollo disse que os santistas adoraram a contratação, e que a reação negativa era apenas de outras torcidas, que teriam ficado com "dor de cotovelo". Questionado se realmente não viu críticas dos torcedores alvinegros, afirmou que elas são prematuras, já que a sentença não é definitiva.

"Robinho não está condenado com trânsito em julgado. Quem somos nós para atirar pedra no Robinho? Atire a primeira pedra quem nunca pecou. E será que ele pecou? Vamos esperar o desfecho do processo", afirmou.

Parte da torcida lembrou campanhas que o clube fez nos últimos tempos, de conscientização no combate da violência contra a mulher, e considerou hipócrita a agremiação por ignorar o assunto quando da contratação do ídolo santista.

"Respeito a opinião de todas [as mulheres]. Inclusive, eu acho que esse crime do qual ele é acusado é muito grave, já investiguei muito esse tipo [na carreira de policial civil], mas têm muitas mulheres apoiando, também. É aquilo que eu falei, não acabou o processo dele na Itália" disse.

A sentença de 2017 saiu quando o atleta já havia deixado o país europeu e defendia o Atlético-MG. De acordo com a investigação, o caso ocorreu em 22 de janeiro de 2013, em Milão. A vítima seria uma mulher albanesa que tinha 22 anos na época.

Segundo a denúncia, Robinho e cinco amigos a intoxicaram com álcool até ela ficar incapaz de recusar o ato sexual. Ele também foi condenado a pagar 60 mil euros (R$ 233 mil) para a mulher.

A advogada do atleta, Marisa Alija, publicou um vídeo em suas redes sociais no fim da noite deste sábado em que diz que o processo está "na primeira fase, subindo para a segunda fase". "Existem pelo menos três, até quatro graus de recurso, como é o caso da Justiça italiana", afirmou.

De acordo com ela, como não existe uma sentença de prisão, não há nenhum impedimento para que ele deixe o Brasil para jogar com a equipe santista, por exemplo.

O acordo entre Robinho e Santos foi oficializado neste sábado (10), no CT Rei Pelé, com duração de cinco meses, até o fim do Campeonato Brasileiro, em fevereiro de 2021.

O salário, segundo o clube, será simbólico de R$ 1.500, mas envolve também outros ativos de performance, prevendo bônus de R$ 300 mil após dez partidas jogadas e outros R$ 300 mil depois de 15 jogos. Os valores, no entanto, só serão pagos no próximo ano.

Além disso, o Santos renegociou o parcelamento da dívida com o jogador, estimada em R$ 1,3 milhão. "Houve um acordo, sim [para a dívida]. Faremos um parcelamento, agora, com pagamento a partir do ano que vem. Será uma entrada e depois dividiremos em parcelas, ficou muito bom para o clube", disse Rollo.

Para contar com atacante no Nacional, o time da Vila Belmiro terá de inscrevê-lo na Confederação Brasileira de Futebol (CBF) até segunda-feira (12), mesmo sendo feriado.

A pressa se deve ao fato de que, a partir de terça (13), entrará em vigor uma punição que o clube sofreu da Fifa, que o impedirá de contratar jogadores por causa de uma dívida de US$ 3,4 milhões (R$ 18 milhões) com o Huachipato, do Chile, pela contratação do atacante venezuelano Soteldo.

De acordo com o presidente, já há conversas adiantadas com representantes da Federação Paulista de Futebol (FPF) e com a CBF para um expediente extra que viabilizará a inscrição. O Santos também aguarda um documento que será enviado pela federação turca de futebol, país do último clube do atleta.

Veja também

Eslovênia acusa comitê organizador do Mundial de Handebol de servir comida estragada
Handebol

Eslovênia acusa comitê organizador do Mundial de Handebol de servir comida estragada

Com 21% de chance de queda, Sport encara sequência que lhe deu apenas quatro pontos no 1º turno
Sport

Com 21% de chance de queda, Sport encara sequência que lhe deu apenas quatro pontos no 1º turno