Relato

Refeno: experiência de uma viagem inesquecível

O repórter do Portal FolhaPE, André Amorim, percorreu 545 quilômetros entre Recife e Fernando de Noronha e relatou a sua experiência nesta aventura.

Thiago Brava faz show no VillarenaThiago Brava faz show no Villarena - Foto: Divulgação

Uma viagem com apenas uma certeza: essa é uma experiência inesquecível e que todos deveriam ter a oportunidade de vivenciar. Percorrer os 545 quilômetros que separam o Recife do Arquipélago de Fernando de No­ronha não é como fazer uma viagem de carro, em que imprevistos podem acontecer e, em sua maioria, são facilmente solucionados. Na imensidão do mar tudo é diferente. A todo instante,  o vento muda, o mar é outro e os imprevistos ocorrem. O desconhecido é a única certeza.

Antes do catamarã La Vie deixar o Cabanga Iate Clube, no sábado pela manhã, as baterias que alimentam o motor do barco não funcionaram. Frouxo como poucos que conheço, logo pensei que era o momento certo de encarar o que vinha martelando a mi­nha cabeça desde que eu aceitei o convite: - “acho que ain­da dá tempo de desistir”. Em alguns minutos, o proble­ma foi logo resolvido. “O que será que fez com que as duas baterias morressem des­sa forma, rapaz?” questionou ao longo da viagem o capitão José Guilherme Borja Martins, um baiano de 54 anos.

E não tardou para o medo vol­tar a aparecer. Na saída do Porto do Recife, durante uma manobra, o catamarã De­nise, de São Luís do Maranhão, bateu na lateral do barco. Para um bom medroso, as únicas referências que surgem na cabeça são filmes em que os navios afundam e que o mocinho fica entre a vi­da e a morte. Pode parecer exagero, mas era só isso que vinha à cabeça. “Ninguém viu eles chegando? Posso continuar viajando? Estou confiando em você”, repetia o capitão ao seu marinheiro Anderson Lima, apelidado de Neo.

E caso a previsão de meu co­lega de redação que fez a mes­ma viagem no ano anterior estivesse correta, o perren­gue só estava começando. Piorando até. Prevenido por Geison Macedo, o subeditor do caderno de Esportes da Fo­lha de Pernambuco, busquei logo informações sobre como evitar os enjoos. Não há nada mais chato do que enjoar, não conseguir controlar o seu corpo. Foram cinco dias que antecederam a viagem tomando um remédio, outros dois dias tomando outro medicamento, e... nada! Os enjoos não apareceram e, com isso, eu ainda pude apreciar a comida preparada no barco e alguns muitas azeitonas - dica do capitão para não enjoar.

Para um marinheiro de primeira viagem, continuarei sendo um marinheiro sem experiência. Construído com o que há de mais moderno em termos de tecnologia, o La Vie, aos olhos de um leigo, não precisa de muitos braços para ser comandado. As poucas expressões náuticas que vou guardar são bombordo (esquerda), boreste (direita) e genoa - uma dos tipos de vela da embarcação.

Foi com os mesmos olhos de leigo que enxerguei a noite mais estrelada, com estrelas a perder de vista. E o nascer do sol da primeira manhã embarcado trouxe outra surpresa. Dezenas de golfinhos a­companharam o barco, co­mo que em uma resposta a minha angústia e mostrando que o mar também é capaz de surpreender positivamente.

E o tempo? O tempo parecia não passar junto com a imensidão do oceano. A viagem lo­go ficou cansativa, mesmo sem precisar se esforçar para manter o rumo da embarcação. “Agora falta pouco. O ven­­to está mais forte do que no ano anterior”. O tempo parecia não passar. Dormir, to­mar banho, escovar os dentes, coisas simples do seu dia a dia, ganham ares de tortura. São tarefas difíceis. Mas como eu dormi. Dormi muito! E foi assim, depois 37 horas, 25 minutos, 26 segundos e alguns sustos que chegamos ao pa­raíso. Fomos premiados com uma noite linda e estrelada oferecida pelo céu de Noronha. E o dia, que amanhecer! Essa foi uma viagem sem igual.

Veja também

Náutico confirma contratação do meia Marcos Vinícius
Futebol

Náutico confirma contratação do meia Marcos Vinícius

Defesa de Carol Solberg recorrerá de advertência por 'fora, Bolsonaro'
Manifestação

Defesa de Carol Solberg recorrerá de advertência por 'fora, Bolsonaro'