Esportes

Renault quer ser quarta maior escuderia da F1 em 2020

Daniel Ricciardo e Esteban Ocon, que substitui Nico Hülkenberg, serão os pilotos da escuderia para a temporada

Daniel Ricciardo, piloto australianoDaniel Ricciardo, piloto australiano - Foto: Andrej Isakovic/AFP

A escuderia Renault declarou seu objetivo de se tornar a quarta força dos construtores na temporada 2020 da Fórmula 1, que a marca francesa lançou nesta quarta-feira (12) em Paris.

"É um objetivo realista, possível se três prioridades forem respeitadas: ser confiável desde o início, garantir um alto nível de desenvolvimento muito em breve na temporada e demonstrar realismo na pista", disse o chefe da equipe, Cyril Abiteboul.

A Renault terá nesta temporada uma dupla de pilotos "revitalizada", composta pelo australiano Daniel Ricciardo, que chegou em 2019, e o francês Esteban Ocon, que este ano substitui o alemão Nico Hülkenberg. No entanto, o novo carro, o R.S. 20, só foi apresentado em fotos e não na sua totalidade. O veículo completo poderá ser visto pela primeira vez nos testes de inverno de Barcelona, que começam no dia 19 de fevereiro.

Após um "grande passo no desempenho" em 2019, a Renault tentou melhorar a "confiabilidade" e a "longevidade" do seu conjunto propulsor E-Tech 20, disse o diretor técnico de motores, Rémi Taffin. Embora o RS20 seja uma evolução do Renault de 2019, "conta com grandes mudanças no âmbito da aerodinâmica", garantiu o diretor executivo Marcin Budkowski, acrescentando que nem todas as peças estariam nos testes de Barcelona e que está previsto "um programa de desenvolvimento agressivo nas primeiras corridas".

Leia também:
GP da China de Formula 1 é adiado devido ao coronavírus
Fórmula 1 inicia ano com futuro incerto e sem acordo com equipes para 2021
Kubica será piloto reserva da Alfa Romeo na Fórmula 1

Embora para a equipe francesa quatro vezes campeã do mundo o objetivo continue sendo "retornar aos pódios e, a longo prazo, ser uma nova campeã do mundo", é preciso seguir "um calendário mais realista" do que o proclamado no retorno da equipe à F1 em 2016, quando a escuderia visava entrar na briga pelas posições mais altas em 2020.

Nono com oito pontos em 2016, sexto com 57 unidades em 2017 e quarto com 122 pontos em 2018, a equipe francesa teve que se contentar com o quinto lugar em 2019, com 91 pontos, atrás de Mercedes, Ferrari, Red Bull e McLaren.

Veja também

Bia Haddad leva Brasil às semifinais de duplas no Aberto da AustráliaTênis

Bia Haddad leva Brasil às semifinais de duplas no Aberto da Austrália

'Ano de afirmação na minha carreira', fala Alanzinho sobre temporada com a camisa do SportSport

'Ano de afirmação na minha carreira', fala Alanzinho sobre temporada com a camisa do Sport