Rendimento do Santa contradiz discurso de Milton Mendes

A despeito de análise otimista, desempenho do Tricolor, tanto em clássico quanto na Série C, esteve longe de ser convincente

Milton Mendes, ex-técnico do Santa CruzMilton Mendes, ex-técnico do Santa Cruz - Foto: Léo Malafaia/Folha de Pernambuco

"Se olharmos direitinho, nossa equipe mandou no jogo... Eles com bolas longas, e nós jogando bem, com movimentações, aproximações, diagonais... Caímos, mas caímos de pé. Acho que nossa torcida se orgulhou muito. Mostramos como se joga futebol". Foi desta maneira, com palavras autoelogiosas, que o técnico Milton Mendes enxergou a derrota do Santa Cruz para o Náutico, no último sábado (24), que provocou a eliminação coral da Série C. A despeito da análise otimista, o desempenho do Tricolor, tanto no Clássico das Emoções quanto no torneio, esteve longe de ser convincente como prega o treinador.

Leia também:
Milton Mendes viu Santa superior na derrota para o Náutico
Confira os gols de Náutico x Santa Cruz, nos Aflitos
'Eu sempre acreditei no meu time', diz Milton Mendes


Ainda que o Santa Cruz não tenha corrido risco de queda para a Série D, o rendimento da equipe foi condizente com a posição final na tabela - sétimo lugar do Grupo A, com 25 pontos. Embora tenha experimentado uma reação na reta final - entre a 14 e 17ª rodadas o time não perdeu e somou oito pontos de 12 possíveis -, a equipe chegou com chances de se classificar na última rodada muito por conta dos incontáveis tropeços de seus concorrentes diretos. Além disso, muitos dos pontos conquistados pelo time aconteceram nos minutos finais dos jogos. O que aponta uma superioridade inexistente por parte dos corais.

Milton Mendes assumiu o time na quinta rodada, no lugar de Leston Júnior. Sob o seu comando, a equipe conseguiu um resultado positivo depois dos 40 minutos do segundo tempo em quatro partidas. Na sua reestreia pelo Santa Cruz, diante do ABC/RN, o placar de 1x1 persistia quando Misael virou nos acréscimos. Já contra o Globo/RN, na casa adversária, os corais perdiam por 3x1. Até Pipico empatar, com um gol aos 40 e outro aos 48 da etapa final. No duelo ante o Botafogo/PB, no Arruda, o Santa tomou 1x0 aos 40 do segundo tempo. No último lance, Charles marcou um golaço de falta e garantiu o empate por 1x1.

Contra o Imperatriz/MA, na Arena de Pernambuco, o time ficou duas vezes atrás no placar e perdia por 2x1 até os 44 do segundo tempo, quando Vitão empatou. Depois, aos 46, Augusto virou. No total, o Santa de Milton Mendes conquistou seis pontos graças a gols no fim dos duelos. Além disso, o Tricolor deixou o Grupo A com a pior defesa, ao lado de Treze/PB e do rebaixado Globo/RN. Foram 27 gols sofridos em 18 partidas - média de 1,5 gol tomado por jogo. Tanto sufoco apenas evidencia que a Cobra Coral abusou da irregularidade e esteve longe de "mostrar como se joga futebol", ao contrário do que avaliou o treinador.

Veja também

Com arbitragem polêmica, Náutico perde para o Juventude e se afunda no Z4
Série B

Com arbitragem polêmica, Náutico perde para o Juventude e se afunda no Z4

Acompanhe Juventude (RS) x Náutico (PE), em tempo real
Série B

Acompanhe Juventude (RS) x Náutico (PE), em tempo real