Roberto destaca esforço dos atletas em goleada no clássico

Treinador explicou estratégia para conter o favorito Sport e disse que time “fez o que podia” para vencer

Náutico 3x0 SportNáutico 3x0 Sport - Foto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco

Talvez nem mesmo o torcedor mais esperançoso do Náutico poderia imaginar que o Náutico venceria o Clássico dos Clássicos desta quarta (24), contra o Sport, na Arena de Pernambuco, por 3x0. Com uma estratégia de se fechar na defesa e apostar nos contragolpes, o Timbu surpreendeu os visitantes e favoritos no confronto. Uma postura elogiada pelo treinador.

“Quero parabenizar o esforço, dedicação e comprometimento dos atletas. Além do torcedor que acreditou e veio. O Náutico vive um ano de resgate e fez um jogo que poderia fazer. Sport continua favorito, mas fizemos o jogo que podíamos e fomos felizes com o resultado”, afirmou o treinador.

“Tudo passa pela formação. Tivemos uma sequencia de três jogos em cinco dias. Era impossível alguns atletas jogarem sexta, domingo e hoje. Você corre risco. Acho que o Náutico é o clube que mais atuou no Brasil. Temos um grupo novo, de atletas com perfil diferente do que estamos acostumados. Mas é preciso paciência. Equipe ainda vai oscilar e ainda temos que trabalhar muita coisa”, completou.

Sobre o modelo de jogo adotado, Roberto explicou as opções pelas entradas de Hygor, Luiz Henrique e Tharcysio, autor do terceiro gol da partida – os dois primeiros foram marcados por Wallace Pernambucano. 

“Eu queria postura mais adiantada. Quando colocamos Hygor, era pra adiantar marcação. Gaúcho tinha feito um jogo acima da média contra o América, mas Anselmo estava armando o jogo inteiro de trás. Não conseguíamos acompanhar ele e Marlone. Adiantamos a marcação com Hygor e Luiz Henrique”, frisou.
 

Veja também

Sport renova esperança por dias melhores após estreia no Brasileirão
FUTEBOL

Sport renova esperança por dias melhores após estreia no Brasileirão

Santa deve ficar alerta para disparidade entre ataque e defesa
FUTEBOL

Santa deve ficar alerta para disparidade entre ataque e defesa