Roberto e sua especialidade em salvar o Náutico da queda

Treinador já livrou o Timbu do rebaixamento nos anos de 2007, 2008 e 2010

Roberto Fernandes, técnico do NáuticoRoberto Fernandes, técnico do Náutico - Foto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco

Cada técnico do Trio de Ferro pernambucano possui uma característica específica que marcou e acompanha suas respectivas carreiras. Vanderlei Luxemburgo, do Sport, é conhecido por ser um treinador de “projeto”, não se limitando apenas aos resultados em curto prazo ou ao que acontece dentro das quatro linhas. Givanildo Oliveira, do Santa Cruz, é o “rei dos acessos”, por ter elevado de divisão diversos clubes na carreira, entre eles o próprio Tricolor e o Leão. Mais novo do que a dupla citada, Roberto Fernandes, do Náutico, pode se encaixar em um estereótipo: o dos comandantes especialistas em salvar clubes do rebaixamento. Em 2013, ele livrou o ABC da queda à Série C. Mas foi no Recife, nos anos de 2007, 2008 e 2010, onde o pernambucano se aprimorou nessa valiosa habilidade.

A história começa em 1996, mas tem um hiato de 11 anos. Foi na segunda metade da década de 90 que o profissional iniciou sua trajetória no futebol, como auxiliar no próprio Náutico. Antes de assumir a função de técnico do clube, em 2007, ele passou por algumas equipes pequenas do interior de São Paulo. Quando recebeu o convite para comandar seu clube do coração na Série A, o pernambucano encarou seu primeiro grande desafio na carreira. Pegou o time na nona rodada, na 19ª posição. Formando uma equipe ofensiva e contando com a fase excepcional do uruguaio Acosta, autor de 19 gols na competição, Roberto Fernandes livrou o Timbu da queda, terminando em 15º. Em 30 jogos, venceu 13, empatou cinco e perdeu 12 - aproveitamento de 48,8%.

Em 2008, após uma saída para o Atlético/PR, Roberto retornou ao Náutico na vaga do técnico Pintado. Quando ele chegou, o time era 17º. Após o fim do torneio, o Alvirrubro ficou uma posição acima, o suficiente para garantir presença na elite do ano seguinte. Em 20 jogos, foram seis vitórias, oito empates e seis derrotas (43,3% dos pontos conquistados).

Após impedir a queda do Náutico à Série B por dois anos seguidos, Roberto Fernandes completou a “tríplice coroa dos salvamentos” em 2010. Desta vez, chegando para comandar o clube na Segundona, livrando os pernambucanos da Série C - situação que pode se repetir em 2017. A equipe não estava na zona de rebaixamento, mas a queda da 1ª até a 11ª posição com o então técnico Alexandre Gallo acendeu a luz de alerta no Alvirrubro. Com medo de que a derrocada terminasse na zona de rebaixamento, os dirigentes apostaram no retorno de Roberto. Em 11 partidas, foram quatro vitórias, dois empates e seis derrotas. Foi a pior estatística do técnico (38,8%), mas o suficiente para evitar o pior.

Veja também

Mundial de Handebol: Brasil perde para Hungria por 29 a 23
Handebol

Mundial de Handebol: Brasil perde para Hungria por 29 a 23

Ídolo do Sport, Fumagalli vai ao hotel rubro-negro em São Paulo para apoiar jogadores
Sport

Ídolo do Sport, Fumagalli vai ao hotel rubro-negro em São Paulo para apoiar jogadores