Salah segue em rota de colisão com Federação Egípcia

Federação usou a imagem de Salah, sem sua autorização, no avião da seleção egípcia, ao lado da empresa de telecomunicações WE

Mohamed Salah, estrela do EgitoMohamed Salah, estrela do Egito - Foto: Nicolas Asfouri/AFP

Novo desentendimento entre a Federação Egípcia (EFA) e o astro Mohamed Salah: a entidade publicou um comunicado nesta segunda-feira respondendo às críticas do jogador do Liverpool, cujo futuro na seleção de seu país parece indefinido.

No domingo, Salah publicou um tuíte em que parecia dar um ultimato à EFA: "Realmente não há tempo para nos dar uma resposta?".

A questão era em relação à violação de seus direitos de imagem, após a EFA usar a imagem de Salah, sem sua autorização, no avião da seleção egípcia, ao lado do nome de um patrocinador, a empresa de telecomunicações WE. Salah é garoto-propaganda de uma empresa rival, a Vodafone.

Leia também:
CR7, Modric e Salah concorrem ao Jogador do Ano da UEFA
Salah fecha renovação por cinco anos com o Liverpool
Salah atende multidão em casa após ter endereço vazado
Salah se emociona e pede desculpa à torcida do Egito

Salah também não parece ainda ter digerido o caso Kadyrov: durante a Copa do Mundo da Rússia, os Faraós tiveram que tirar fotos com o mandatário da Chechênia Ramzan Kadyrov em Grozny, cidade-base do Egito durante o Mundial.

A imprensa, especialmente a britânica, criticou Salah por se deixar fotografar ao lado de um homem acusado de "torturas e assassinatos extra-judiciais" e regularmente denunciado por organizações internacionais por violar os direitos humanos na Chechênia.

O empresário de Salah, Ramy Abbas, contactou a Federação Egípcia para expressar o mal-estar do jogador, algo que não foi bem recebido pela entidade.

"Nunca se viu um empresário pedir a demissão dos dirigentes de uma federação se suas exigências não forem aceitas", denuncia o comunicado da EFA, que nega "favorecer um jogador" e critica os pedidos "ilógicos" de Salah.

Posteriormente, Salah publicou dois vídeos no Facebook em que garante ter pedido apenas mais segurança para toda a seleção egípcia e para que episódios como o de Kadyrov, no qual o atacante foi obrigado a acordar para receber o político, não se repitam.

"Essas coisas acontecem comigo, sou eu que sou incomodado com esse tipo de coisa", explicou o jogador. "São pedidos pequenos, mas que podem fazer as coisas mais fáceis, que podem permitir aos jogadores se concentrarem no jogo".

O desentendimento, que começou há seis meses, parecia ter ficado no passado após a intervenção de políticos do Egito.

Esta nova colisão chega no momento em que o Egito se prepara para enfrentar o Niger em 8 de setembro pelas eliminatórias da Copa Africana de Nações, que será sediada por Camarões.

Veja também

Veja os melhores momentos da vitória do Lakers sobre o Bucks
NBA

Veja os melhores momentos da vitória do Lakers sobre o Bucks

Governo lança edital do Bolsa Atleta, mas torneios do fim de 2020 não valem
Esportes Olímpicos

Governo lança edital do Bolsa Atleta, mas torneios do fim de 2020 não valem