Sampaoli assume culpa por vexame diante da Croácia

Sampaoli foi xingado por parte da torcida argentina que compareceu ao estádio de Níjni Novgorod. A escalação que escolheu gerou desconfiança antes mesmo de a bola rolar

Jorge Sampaoli, técnico da ArgentinaJorge Sampaoli, técnico da Argentina - Foto: Johannes EISELE / AFP

A derrota por 3 a 0 para a Croácia nesta quinta-feira (21) deixa a Argentina em situação muito delicada na fase de grupos da Copa do Mundo. A seleção de Jorge Sampaoli passa a depender de uma combinação de resultados, e o técnico teve que se explicar na entrevista coletiva que deu após o jogo.

"Não tivemos capacidade para mudar a história", resumiu o treinador, que assume a responsabilidade pelo resultado e confessa que a estratégia que tentou foi um fracasso. "Tudo o que acontece com a equipe, o rendimento dos jogadores, tem a ver com a direção. O projeto realmente não prosperou. Eu tinha muita esperança, estou me sentindo muito mal com esta derrota. Mas talvez eu não tenha lido este jogo como merecia", diz Sampaoli.

O técnico foi xingado por parte da torcida argentina que compareceu ao estádio de Níjni Novgorod de filho da p para pior. A escalação que escolheu gerou desconfiança antes mesmo de a bola rolar: Di María e Dybala no banco em um esquema com três "zagueiros" -dois dos quais são, na verdade, laterais improvisados na posição.

Questionado sobre o sentimento após a derrota que pode sepultar o país na Copa na Rússia, Sampaoli não escondeu o desapontamento. "Não sei se vergonha, é mais dor por não ter conseguido ganhar. Já há muito tempo que não me acontecia isso à frente de um time de futebol e aconteceu pela seleção do meu país, é muito doloroso", lamenta.

"O planejamento para esse jogo não deu certo e precisamos apostar tudo para a partida que resta. Lutar, nós não temos outra solução. Fica esse sentimento, que não é vergonha; é muita dor de não poder estar à altura que a nação argentina esperava da gente", encerra Sampaoli.

Veja também

Em carta de renúncia, Milton Bivar fala em "missão cumprida", dois meses após reeleição
Sport

Em carta de renúncia, Milton Bivar fala em "missão cumprida", dois meses após reeleição

Em depoimento, enfermeiro diz que tinha ordem de não acordar Maradona e desconhecia cardiopatias
Investigação

Em depoimento, enfermeiro diz que tinha ordem de não acordar Maradona e desconhecia cardiopatias