Santa faz integração, mas aproveita pouco a base em 2018

Santa Cruz aproxima base do profissional, mas os garotos praticamente não receberam chances no time de cima

Eduardo BritoEduardo Brito - Foto: Paullo Allmeida

Pelo quinto ano seguido, os jogadores da base do Santa Cruz foram pouco aproveitados nas partidas e nenhum teve o prestígio de ser titular absoluto na temporada 2018. Ao assumir a presidência, Constantino Júnior prometeu uma integração maior entre as divisões inferiores e o elenco profissional como um dos seus planos de gestão. De fato, houve uma aproximação conforme foi planejado, mas os garotos praticamente não receberam chances e apareceram timidamente. Vale lembrar que uma das saídas para amenizar a crise financeira no Arruda era utilizar os jovens com frequência.

Leia também:
Elenco do Santa em fase de desmanche pela terceira vez

O Santa iniciou a pré-temporada deste ano, em Aldeia, com 14 atletas da base: goleiros Lucas Silva e Matheus Cotrim, lateral-direito Ítalo, lateral-esquerdo Weslley Alcântara, zagueiros Eduardo Brito, Lucão, Júnior e Ravel, volantes Lucas Gomes e João Victor, meias Jeremias e Willams Luz, atacantes Anderson e Pequeno (Walisson). Da lista, metade atuou pelo profissional: Ítalo (quatro vezes), Weslley Alcântara (um jogo), Eduardo Brito (oito jogos), Lucas Gomes (três partidas), Jeremias (17 participações e três gols), Willams Luz (entrou em campo uma vez) e Anderson (três exibições).

O zagueiro Eduardo Brito e o meia Jeremias foram os que mais jogaram, mas ambos já estavam integrados ao elenco principal desde 2017. Durante a temporada, o Tricolor emprestou alguns garotos - Weslley Alcântara (Campinense/PB), Lucas Gomes (Belo Jardim), João Victor (Rio Verde/GO) e Anderson (Desportiva Guarabira/PB) -, que retornaram ao clube para a disputa do inédito Campeonato Brasileiro de Aspirantes (Sub-23).

Com o limite de 35 inscrições para o Campeonato Brasileiro da Série C, apenas o goleiro Lucas Silva, o lateral-esquerdo Eduardo Brito e o meia Jeremias ficaram aptos para a competição. Os dois últimos atuaram em partidas do campeonato. Com a garotada “esquecida”, o clube contratou um caminhão de reforços: 39 no total.

A presença de jovens promessas na Cobra Coral tornou-se uma marca do Santa Cruz nos anos de recuperação no cenário nacional do futebol. Em 2011, 2012 e 2013, por exemplo, a meninada - Éverton Sena, Memo, Renatinho, Natan e Gilberto - foi trunfo nas conquistas, sendo considerada como a melhor safra do passado recente. De lá pra cá, os garotos da base ganharam pouco espaço. As exceções foram o lateral-direito Nininho (2013 e 2015), o volante Wellington Cézar (2015-2017), os meias Raniel (2014-2016) e Marcílio (2014-2017) e o atacante André Luís (2017).

Veja também

Vale o acesso à Série B: Santa recebe o Brusque, pelo duelo final do quadrangular da Série C
Futebol

Vale o acesso à Série B: Santa recebe o Brusque, pelo duelo final do quadrangular da Série C

“Não dá tempo para lamentar, não pode abaixar a cabeça”, diz Jair Ventura após derrota do Sport
Sport

“Não dá tempo para lamentar, não pode abaixar a cabeça”, diz Jair Ventura após derrota do Sport