Santa ganha força com elenco repleto de velhos conhecidos

Técnico do Santa, PC Gusmão conta com jogadores que já conhecem o clube há tempo e tem sistema defensivo que foi vitorioso no ano de 2015

Lateral-direito Vítor perdeu uma grande chance no último lance do primeiro tempoLateral-direito Vítor perdeu uma grande chance no último lance do primeiro tempo - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Com as chegadas recentes do lateral-esquerdo Allan Vieira e do atacante Halef Pitbull, o Santa Cruz ganha mais jogadores que já conhecem o clube. Além deles, o zagueiro Danny Morais, o lateral-direito Vítor e o meia Carlinhos Paraíba completam a lista. O fato deixa o elenco do técnico PC Gusmão mais “cascudo” para a sequência da temporada e também dá uma maior segurança aos atletas menos rodados.
“É bom fazer parte de um grupo que tem jogadores que já vestiram a camisa do Santa Cruz. São atletas que dão experiência ao elenco. Os mais novos têm que ter humildade para escutar o que os ‘rodados’ têm a passar para aprender cada vez mais”, comentou o volante Charles, titular da equipe há três jogos.
Vítor, Danny Morais e Allan Vieira, por exemplo, foram os titulares do sistema defensivo do Santa em 2015, ano marcado pelo acesso à Série A. O primeiro deles respira o ambiente do Arruda há três temporadas seguidas. Em 2016, na elite do futebol, o trio esteve na campanha do rebaixamento à Segunda Divisão. Dois anos depois, eles reeditam parceria no Tricolor e buscam uma ascensão à Série B.
Já Pitbull teve uma passagem mais recente do que a de Paraíba. Enquanto o atacante foi o vice-artilheiro da Cobra Coral no ano passado, com oito gols marcados, o meio-campista matou a saudade que durou quase onze anos, já que a última atuação com a camisa tricolor havia sido em 2008, no Campeonato Pernambucano.

Veja também

Superliga é ápice da revolução dos bilionários estrangeiros no futebol europeu
Futebol

Superliga é ápice da revolução dos bilionários estrangeiros no futebol europeu

Clubes brasileiros dominam a Libertadores, mas crise pode ser uma ameaça à hegemonia
Futebol

Clubes brasileiros dominam a Libertadores, mas crise pode ser uma ameaça à hegemonia