Libertadores

São Paulo perde para o River Plate e é eliminado da Libertadores

Com apenas quatro pontos em cinco jogos, os comandados de Fernando Diniz já não podem alcançar o próprio River, que chegou aos dez

São Paulo foi derrotado por 2x1 pelo River e deu adeus a LibertadoresSão Paulo foi derrotado por 2x1 pelo River e deu adeus a Libertadores - Foto: Divulgação

No duelo entre um time muito bem treinado e outro sem o mesmo encaixe, deu a lógica em Avellaneda, na noite de quarta-feira (30). O River Plate derrotou o São Paulo por 2 a 1, assegurou sua classificação às oitavas de final da Copa Libertadores e eliminou a equipe do Morumbi com uma rodada de antecedência no Grupo D.

Com apenas quatro pontos em cinco jogos, os comandados de Fernando Diniz já não podem alcançar o próprio River, que chegou aos dez. A LDU lidera a chave, com 12, e também está classificada. Restará ao São Paulo duelar com o Binacional pelo terceiro lugar, que vale vaga na sequência da Copa Sul-Americana.

Finalista das duas últimas edições da Libertadores, o River Plate mostrou o entrosamento decorrente de mais de seis anos do ótimo trabalho do técnico Marcelo Gallardo. O comandante contou com uma boa jornada do atacante Julián Álvarez, que soube aproveitar as falhas defensivas do adversário para balançar a rede duas vezes.



Diego Costa chegou a marcar de cabeça, ainda no primeiro tempo, naquele momento deixando o placar empatado, mas o lance de bola parada foi um raro momento de felicidade dos visitantes no estádio Libertadores de América, na região metropolitana de Buenos Aires. O time brasileiro ainda apertou no final e teve chance de empatar, sem sucesso.

Foi o sexto jogo seguido sem vitória do clube do Morumbi, que voltou a apresentar problemas crônicos, especialmente na recomposição defensiva. Os erros custaram caro e acabaram com as chances de classificação, que já eram bem pequenas.

Em Avellaneda, onde o River vem atuando porque sua casa está em reformas, não demorou para que sua melhor organização tática ficasse clara. Quando chegava ao campo de ataque, a equipe argentina conseguia trocar passes com facilidade, aproveitando sobretudo o espaço oferecido no lado esquerdo da defesa do São Paulo, onde falhavam Léo e Reinaldo.

Foi por ali que os donos da casa construíram sua primeira chance clara. Aos seis minutos, Montiel driblou Léo e ficou na cara de Tiago Volpi, que fez ótima defesa. Cinco minutos mais tarde, quando os anfitriões chegaram tocando rapidamente pelo meio, o goleiro não conseguiu evitar a abertura do placar.

Julián Álvarez aproveitou a hesitação de Reinaldo, recebeu de De la Cruz na área e bateu de pé direito para balançar a rede. E a vantagem só não foi ampliada pouco depois porque Álvarez se enrolou na frente de Volpi tentando driblá-lo.

O São Paulo tentava sair, porém o meio-campo formado por Tchê Tchê, Hernanes e Daniel Alves pouco produzia. Na frente, Pablo mostrava disposição, embora recebesse pouca ajuda de Vitor Bueno e Igor Gomes. Mas, mesmo sem muito construir, o time chegou ao empate aos 26 minutos, em escanteio completado por Diego Costa de cabeça.

O lance não resolveu os problemas da equipe de Diniz, que continuava tendo enormes dificuldades quando perdia a bola, oferecendo as duas pontas ao River. A formação argentina agradeceu e aproveitou aos 37, quando Suárez avançou em velocidade pela esquerda, cortou Diego Costa e rolou para Julián Álvarez marcar de novo.

Em dificuldade, Diniz resolveu apostar no atacante Brenner no intervalo, sacando Hernanes e recuando Igor Gomes. Não deu resultado imediato, e foi o time portenho que teve a primeira chance da etapa final, após saída errada de Reinaldo. Borré falhou na área e desperdiçou a oportunidade clara.

Com o desenrolar do segundo tempo, o São Paulo passou a adotar um comportamento mais agressivo. Se não era uma blitz, a equipe paulista ao menos passou a controlar um pouco mais a bola em busca de espaços. Reinaldo chegou a encontrar uma brecha, em tabela com Vitor Bueno, porém Daniel Alves não se esticou para aproveitar o cruzamento por baixo.

Nos minutos finais, já com Paulinho Boia, Tréllez e Toró em campo, o time brasileiro tentou pressionar em busca do empate que ao menos evitaria a eliminação matemática. Brenner recebeu na área e parou em Armani. Tréllez quase fez no rebote. Mas a derrota não foi evitada.

River Plate
Armani, Montiel, Martínez Quarta, Pinola e Casco; Nacho Fernández (Cristian Ferreira), Enzo Pérez (Ponzio) e De la Cruz; Julián Álvarez (Paulo Díaz), Suárez e Borré (Lucas Pratto). T.: Marcelo Gallardo

São Paulo
Tiago Volpi; Juanfran, Diego Costa, Léo Pelé e Reinaldo; Tchê Tchê (Toró), Daniel Alves, Hernanes (Brenner), Igor Gomes; Pablo (Tréllez) e Vítor Bueno (Paulinho Boia). T.: Fernando Diniz

Estádio: Libertadores da América, em Avellaneda (ARG)
Árbitro: Cristian Garay (CHI)
Assistentes: Christian Schiemann e Claudio Rios (CHI)
Cartões amarelos: Casco, Enzo Pérez e Suárez (RIV); Juanfran, Daniel Alves, Diego Costa e Vítor Bueno (SAO)
Gols: Julián Álvarez (RIV), aos 10min e aos 36min, e Diego Costa (SPO), aos 25min do 1ºT.

Veja também

'Sempre fomos competitivos', afirma Jair Ventura ao completar cinco meses de Sport
Sport

'Sempre fomos competitivos', afirma Jair Ventura ao completar cinco meses de Sport

Chelsea demite técnico Frank Lampard e Tuchel é o mais cotado para a vaga
Futebol Internacional

Chelsea demite técnico Frank Lampard e Tuchel é o mais cotado para a vaga