Seleção Olímpica recebe o Japão na Arena de Pernambuco

Depois de golear a Venezuela nos Aflitos, o time sub-23 vai encarar os japoneses em São Lourenço da Mata

Brasil sub-23 goleou a Venezuela nos Aflitos, na semana passadaBrasil sub-23 goleou a Venezuela nos Aflitos, na semana passada - Foto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco

A rápida passagem da seleção brasileira sub-23 pelo Estado em 2019 terá hoje o seu capítulo final. Depois de bater os garotos da Venezuela por 4x1, na última quinta-feira, nos Aflitos, o conjunto olímpico da Canarinho volta a campo nesta tarde, às 16h, na Arena de Pernambuco. O adversário da vez é o Japão, justamente o anfitrião das Olimpíadas de 2020. Para o duelo, o técnico André Jardine deve fazer poucas modificações no time titular que goleou os venezuelanos.

Leia também:
Em amistoso nos Aflitos, Brasil sub-23 goleia Venezuela
Nos Aflitos, Brasil pré-olímpico encara Venezuela em amistoso


De acordo com as atividades comandadas pelo treinador, uma alteração seria no miolo de zaga. Luiz Felipe, que foi titular contra a Venezuela, cedeu o lugar para Lyanco, que não atuou na quinta-feira passada porque cumpriu suspensão. No gol, uma indefinição. Em tese, Ivan continuaria como responsável por guardar a meta verde-amarela. Entretanto, o próprio comandante da equipe planeja alternar os jogadores da posição. Assim, Cleiton poderia ser escalado de frente.

Na visão de Jardine, o Japão é um dos mais fortes candidatos a levar a medalha de ouro em 2020. "É o país-sede da Olimpíada e eles estão levando esse projeto a sério. É uma das equipes favoritas ao ouro olímpico e que tem uma ideia de jogo muito enraizada, bem treinada. É um time que impressionou a todos, em Toulon (França). Eles venceram equipes europeias e golearam o Chile por 6x1. Não foi à toa que fizeram a final contra a gente", relembrou o comandante brasileiro.

No último mês de junho, o Brasil foi campeão do torneio de Toulon justamente contra os japoneses. Como bem lembrou o técnico, a conquista não veio fácil, pois o embate só foi decidido nos pênaltis. Presente na conquista, o meia Pedrinho sabe bem como joga o escrete asiático. "O Japão veio marcando em cima, tentando dificultar a nossa saída de bola, e atacou com velocidade. Conseguimos o título em Toulon, mas sabemos que, mais uma vez, não teremos facilidade", destacou o atleta.

"Estamos bem preparados para fazer nossa qualidade prevalecer e vencer dentro do nosso País. O professor Jardine passa as coisas com o máximo de clareza possível, na linguagem dos jogadores, o que facilita o entendimento do que precisamos fazer", ressaltou o camisa 10 da equipe nacional, que será novamente o responsável por municiar o trio de ataque brasileiro. O tridente deve ser composto por Paulinho e Antony, pelos lados, e Matheus Cunha, mais centralizado.

Autor de dois gols e uma assistência no confronto diante da Venezuela, Antony enfatizou a importância do entrosamento para um bom desempenho. "Vários jogadores vêm recebendo chances e já existe uma estrutura no time, que está se entrosando mais a cada treino. Estou muito feliz com a boa fase, mas gostaria de agradecer aos companheiros de equipe porque não conseguiria fazer nada disso sem eles", declarou o atacante, considerado peça fundamental pelo técnico André Jardine.

Veja também

'Poderia ter sido de quatro', exalta Hélio dos Anjos após 1ª vitória no retorno aos Aflitos
Náutico

'Poderia ter sido de quatro', exalta Hélio dos Anjos após 1ª vitória no retorno aos Aflitos

Uefa analisa Liga dos Campeões com mínimo de 10 jogos por time
Liga dos Campeões

Uefa analisa Liga dos Campeões com mínimo de 10 jogos por time