Sem antidoping, seletiva de natação do Brasil pode ter recordes invalidados

A assessoria de imprensa da CBDA disse que "não houve tempo hábil" para arrumar um jeito de fazer o controle

Armando Monteiro vai criar Comando CidadãoArmando Monteiro vai criar Comando Cidadão - Foto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

Em meio ao caos que reina no antidoping brasileiro, a primeira seletiva da natação nacional para o Campeonato Mundial de Esportes Aquáticos de Budapeste, em julho de 2017, teve início nesta quarta-feira (23) sem que os atletas fossem submetidos a controle de substâncias ilegais. Com isso, eventuais recordes e até mesmo índices obtidos nas piscinas podem ficar invalidados.

A disputa ocorre em Palhoça (Santa Catarina), e as primeiras provas foram realizadas pela manhã. Nenhum nadador foi testado. Após os Jogos Olímpicos do Rio, este é o principal evento da natação nacional.

De acordo com a CBDA (Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos), houve acordo no ano passado para que a ABCD (Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem) assumisse a execução do controle antidoping da entidade.

Porém, a CBDA disse que desde a semana passada tem tentado contato com a direção da ABCD para saber se o antidoping da seletiva estava de pé. A confederação chegou a enviar um ofício à agência antidoping, que fica em Brasília –é atrelada ao Ministério do Esporte–, mas não obteve resposta.

De acordo com o Código Brasileiro Antidopagem, sancionado neste ano, a Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem é a única autoridade de testes em território nacional. Exceções só podem ser feitas por autorização. No domingo (20), a ABCD foi declarada fora dos padrões de conformidade do Código Mundial Antidoping pela Wada (Agência Mundial Antidoping) e será descredenciada pelo órgão.

No meio tempo, a assessoria de imprensa da CBDA disse que "não houve tempo hábil" para arrumar um jeito de fazer o controle antidoping. "Não temos como fazer o antidoping [na seletiva]", disse a assessoria de imprensa.

Sem exames antidoping, o torneio pode até ser realizado, mas recordes mundiais (muito improvável) e sul-americanos obtidos em Palhoça podem ser invalidados. Segundo regra da Fina (Federação Internacional de Natação), é mandatório que haja exame antidoping negativo para validação de um recorde mundial.

A assessoria de imprensa da da entidade não soube informar sobre a validade dos índices obtidos para o Mundial de Budapeste. Existe possibilidade de que eles sejam invalidados também. Até a publicação desta reportagem, o Ministério do Esporte não havia respondido ao questionamento da Folha de S.Paulo.

RESTRIÇÃO

A CBDA anunciou, por meio de boletim, que levará somente oito nadadores para o Mundial de Budapeste. Os argumentos para a diminuta equipe &–para o Mundial anterior, em Kazan, foram 25–, foi a situação financeira da entidade. Seu principal patrocinador, os Correios, já sinalizou um corte brusco de aportes e ainda não renovou patrocínio.

A confederação afirmou que a definição dos nadadores se dará por índice técnico, independentemente do gênero. Além desta primeira seletiva nacional, em Palhoça, outro evento que vai definir a delegação será o Troféu Maria Lenk, no Rio, entre 24 e 29 de abril de 2017.

A CBDA também disse que vai mandar apenas oito atletas para o Mundial júnior de Indianápolis (EUA). Na edição anterior, em Cingapura-2015, foram enviados 20.
A entidade foi investigada pelo Ministério Público Federal em São Paulo, que pediu à Justiça em setembro o afastamento de toda sua cúpula, sobretudo o presidente Coaracy Nunes. Um juiz concedeu liminar deferindo o pedido, mas ele foi derrubado neste mês.

Veja também

Náutico suspende leilão da sede dos Aflitos
Futebol

Náutico suspende leilão da sede dos Aflitos

Com jogos no Natal e Carnaval, CBF estipula novas datas de competições
Futebol nacional

Com jogos no Natal e Carnaval, CBF estipula novas datas de competições