Sem palavras para mostrar tristeza

Por volta das 5h30, o arqueiro foi acordado e alertado pelo pai, que costuma despertar neste horário para caminhar na praia.

Sociedade civil se posiciona em frente à Assembleia contra extinção da DecaspSociedade civil se posiciona em frente à Assembleia contra extinção da Decasp - Foto: Juliano Muta/ Divulgação

Conviver com a dor é uma árdua batalha dos que sofrem perdas de amigos e familiares. Na tragédia que chocou o mundo inteiro ontem, o goleiro Rodolpho, do Náutico, foi um dos que sofreu de maneira profunda. Por volta das 5h30, o arqueiro foi acordado e alertado pelo pai, que costuma despertar neste horário para caminhar na praia.

Imediatamente, o alvirrubro pegou o telefone para tentar contanto com os amigos que deixou na Chapecoense, clube que defendeu por três temporadas (2011/2012/2013). O primeiro ex-companheiro que ele conseguiu conversar foi o veterano goleiro Nivaldo, de 42 anos.
Ainda sem muitas informações, Nivaldo se mostrou bastante abalado e revelou ao amigo que estava tentando contato com os demais companheiros de clube, mas que não queria acreditar no pior. Em seguida, a confirmação do desastre. E aí ficaram apenas as lembranças para o atleta pernambucano, atualmente com 35 anos. “A cidade e o clube são bastante acolhedores. Você se sente em casa, parte da comunidade. Não tenho palavras para expressar minha tristeza”, comentou Rodolpho, que conquistou o Catarinense 2011 e os acessos de 2012 e 2013.

Veja também

Inscrições abertas para os programas Bolsa Atleta Pernambuco e Time PE
Programa

Inscrições abertas para programa Bolsa Atleta PE

'Seria uma boa para os dois’, diz empresário de Negueba sobre interesse do Santa Cruz
SANTA CRUZ

'Seria uma boa para os dois’, diz empresário de Negueba sobre interesse do Santa Cruz